A fabricante aeronáutica brasileira Embraer anunciou esta segunda-feira que acordou pagar 206 milhões de dólares (189,4 milhões de euros) para encerrar um caso judicial por irregularidades cometidas em Moçambique, Arábia Saudita, República Dominicana e Índia.

Em comunicado, a fabricante aeronáutica brasileira acrescentou que, no âmbito do acordo com autoridades judiciais brasileiras e norte-americanas, para que nenhuma acusação contra a companhia seja formalizada, “a empresa concordou em contratar monitoramento externo e independente, por até três anos”.

As investigações, que são parte da documentação do acordo, apuraram que a empresa foi responsável por ações irregulares em quatro transações realizadas entre os anos de 2007 e 2011, na Arábia Saudita, na Índia, em Moçambique e na República Dominicana. Essas transações totalizaram a comercialização de 16 aeronaves”, lê-se na nota.

Em 2008, a empresa vendeu dois jatos Embraer 190 para as Linhas Aéreas de Moçambique (LAM), empresa controlada pelo governo moçambicano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo a empresa, a investigação durou seis anos e envolveu a análise de “centenas de milhares de documentos” e “mais de 100 entrevistas com funcionários e terceiros”.

Essa investigação começou:

Quando a Embraer foi questionada por autoridades norte-americanas em relação a potenciais não-conformidades em certas transações comerciais no exterior” e, desde então, “a companhia realizou uma ampla investigação interna, conduzida de maneira independente por escritórios de advocacia externos”.

Lamentando “profundamente” o ocorrido, a terceira maior fabricante mundial de jatos comerciais reconheceu a “responsabilidade pelos atos de seus funcionários e agentes”, mas admitiu que “aprendeu” e que “investe de maneira permanente no treinamento de funcionários e parceiros de negócios”.