O presidente do Governo espanhol em funções, Mariano Rajoy, aceitou o encargo de formar um novo executivo. Segundo o jornal espanhol El País, Rajoy aceitou a proposta do rei de Espanha, Felipe VI, e enfrentará no Congresso uma nova votação para conseguir formar uma nova equipa ministerial que não seja chumbada pelos deputados. O debate começa já esta quarta-feira e, na quinta, o presidente do Governo espanhol em funções enfrentará a primeira votação.

Na decisão de Rajoy terá também pesado o anúncio, por parte dos socialistas, de que se vão abster na votação. Foi uma inflexão face à posição do antigo líder do PSOE, Pedro Sanchéz, que chumbou o Governo do PP em anteriores votações. Entretanto, Sanchéz demitiu-se e coube a Javier Fernández, presidente da comissão de gestão do PSOE, levar ao rei de Espanha a informação de que os socialistas se vão abster na próxima votação de investidura. Mesmo que, dentro do partido, a decisão esteja longe de ser unânime, havendo deputados que se dizem dispostos a romper com o sentido de voto emanado do Comité Federal. “O que temos de fazer agora é convencê-los a não tomar essa posição”, refere Fernandéz.

Para ser eleito à primeira votação e superar a prova de fogo no Congresso espanhol, Rajoy precisaria de 176 votos. Atualmente, o líder do PP e presidente do Governo de Espanha em funções contará com apenas 170.

Numa segunda volta, o PP deverá contar com os votos favoráveis à sua investidura por parte do Ciudadanos, da Coalición Canaria, do Foro Asturias e da UPN — além da abstenção do PSOE.

“Estou consciente das dificuldades de governar em minoria”, admite Rajoy “Gostaria de contar com uma maioria parlamentar mais alargada, mas já sei que não será assim”, prosseguiu, para concluir que trabalhará “desde o primeiro dia” para o próximo Governo espanhol “seja estável”.

Estabilidade é aquilo que Espanha não tem tido, pelo menos no campo político – há 310 dias que o país está sem Governo, como mostra o contador que o El País preparou para acompanhar a evolução do jogo de forças partidário.

Mas essa situação poderá, agora, registar uma mudança. O debate de investidura começa já esta quarta-feira, ao final da tarde (17 horas em Lisboa). Os trabalhos continuam na quinta-feira, dia em que se fará a primeira votação. Como tudo indica que a primeira votação será infrutífera para que o impasse político fique resolvido, 48 horas depois (portanto, no sábado), os membros do Congresso farão nova votação. Aí, já não será necessária uma maioria absoluta para que o novo Governo liderado por Rajoy seja aprovado.