O Instituto de Medicina Legal já concluiu os relatórios finais das autópsias aos militares do 127.º curso de Comandos, Hugo Abreu e Dylan da Silva, que morreram, respetivamente, a 4 e a 10 de setembro, na sequência dos treinos intensivos do curso. A notícia foi avançada pela SIC Notícias.

Os documentos foram enviados para o Ministério Público de Benavente e para o Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

Neste momento, o Ministério Público está a investigar as circunstâncias das mortes, e já ouviu dois enfermeiros militares, que são suspeitos dos crimes de omissão de auxílio e de abuso de autoridade por ofensa à integridade física. Os dois — um sargento dos comandos e uma furriel do Exército –foram constituídos arguidos.

Simultaneamente, corre dentro do Exército uma investigação interna, que já instaurou processos disciplinares, a dois dos instrutores do curso, por “indícios da prática de infração disciplinar”. Não se sabe, contudo, se são os mesmos militares que foram constituídos arguidos pelo Ministério Público.