Duarte Lima, antigo deputado do PSD, vai ser julgado pelo Tribunal de Instrução Criminal por um crime de abuso de confiança, avança o Diário de Notícias. Em causa está a suspeita de que Lima se apropriou de cinco milhões de euros que pertenciam a Rosalina Ribeiro, em tempos a companheira do milionário Tomé Feteira, assassinada em 2009, no Brasil. Lima é o principal suspeito do homicídio que fez manchetes desde há sete anos.

O juiz de instrução considerou que Duarte Lima, que recebeu o dinheiro de modo a guardá-lo, dispôs-se da quantia “como bem entendeu, em benefício próprio, integrando-o no seu património, sem qualquer intenção de o devolver”, lê-se na publicação já citada.

A tese na qual se baseia a acusação do Ministério Público tem por base o facto de os 5 milhões de euros terem sido usados “para pagamento de despesas e investimentos pessoais” de Lima, sem que esse dinheiro tenha sido declarado ao fisco.

Duarte Lima já antes foi condenado no processo “Homeland” — este ano o Tribunal da Relação de Lisboa manteve a pena de prisão por burla qualificada e branqueamento de capitais mas reduziu-a de dez para seis anos de cadeia.