Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

“Marcelo fez xeque mate a António Domingues e aos gestores da CGD”

Luís Marques Mendes disse este domingo, no seu espaço de comentário na SIC, que o Tribunal Constitucional deverá secundar a interpretação do Presidente e notificar a administração da Caixa.

André Antunes

Autores
  • Vítor Matos
  • Hugo Tavares da Silva

O Tribunal Constitucional (TC) deverá notificar os administradores da Caixa Geral de Depósitos para estes apresentarem as declarações de rendimentos, disse esta noite Luís Marques Mendes, no seu espaço habitual de comentário no telejornal da SIC. O comentador disse também que essa provável decisão do TC será como uma “humilhação” para a administração do banco. Foi mais longe e afirmou que, no fundo, só restavam duas alternativas aos gestores da CGD, fossem quais fossem as voltas que o processo desse: “Ou eles apresentam as declarações ou demitem-se”.

O comentador começou por dizer que a nota publicada pelo Presidente da República no seu site, na sexta-feira, é uma “desautorização total e completa” do Ministro das Finanças, porque Mário Centeno já dissera que os gestores “não tinham de apresentar nenhuma declaração”. Para Marques Mendes, a declaração de Marcelo Rebelo de Sousa “é um xeque mate a António Domingues e aos gestores da CGD”. Até porque já “nenhum partido os defende”.

“Os gestores deixaram-se colocar numa posição insustentável. Primeiro, não têm o apoio de nenhum partido. Depois, António Costa tirou-lhes o tapete. Finalmente, nenhum português percebeu até hoje as razões das recusas em apresentar as declarações ao Tribunal Constitucional”, defendeu o ex-líder do PSD.

Na interpretação do analista político da SIC, “a declaração do Presidente é uma ajuda a António Costa”, por ir ao encontro do que o primeiro-ministro tinha dado a entender, ou seja, “que tinha uma opinião diferente de Mário Centeno”. Nesse sentido, se a pressão estava sobre António Costa, depois da intervenção presidencial “Marcelo pôs a pressão sobre os gestores”.

Marques Mendes considera ainda que a posição de Marcelo Rebelo de Sousa — que é a favor da entrega das declarações de rendimentos — se torna uma “humilhação” para os banqueiros, que podem ver-se obrigados por decisão do TC a apresentar as declarações contra a sua vontade. Por isso, aconselhou Domingues e a sua equipa a entregar voluntariamente as declarações de rendimentos já esta segunda-feira: “É muito provável, segundo apurei, o TC secundar a interpretação do Presidente e notificá-los mesmo a apresentar as declarações”. Para os gestores, portanto, “corresponder a um apelo do Presidente seria um ato de dignidade e humildade. É a melhor saída que podem ter para o impasse criado”, defendeu Mendes, que levantou esta questão no seu comentário dominical, há duas semanas, desencadeando a polémica que ainda perdura.

Em relação ao outro tema da semana, a discussão do Orçamento do Estado, Marques Mendes voltou a ser muito duro para Pedro Passos Coelho por não conseguir bater o primeiro-ministro e estar a cair nas sondagens. O social-democrata considerou que António Costa “é o senhor todo-poderoso” da situação política, porque “não tem oposição, como se viu no debate e nas sondagens” e porque “faz o que quer do PCP e do BE” que, na sua opinião, estão “domesticados”. Ressalvando que Costa só falou no final do debate orçamental “para que não lhe fizessem perguntas sobre a Caixa”, comentou que o primeiro-ministro “passou este debate orçamental sem que a oposição lhe fizesse grande mossa”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)