Barack Obama reuniu-se, esta terça-feira, com o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras, em Atenas, onde alertou para os perigos do aumento generalizado de um “nacionalismo bruto” (após o Brexit e a eleição de Trump) e pediu o alívio da dívida pública da Grécia.

Vamos ter de nos proteger contra a ascensão de um tipo de nacionalismo grosseiro ou de uma identidade étnica ou tribalista construída em redor da noção ‘nós’ e ‘eles’ “, declarou o ainda Presidente dos Estados Unidos, segundo o The New York Times.

A respeito da vitória de Trump, Barack Obama diz-se surpreso mas referiu que “às vezes, as pessoas [eleitores] têm apenas vontade de tentar alguma coisa para ver se isso pode mudar tudo“. Mas Obama pretende apresentar as suas ideias ao seu sucessor e indicar-lhe as matérias onde julga que o Partido Republicano está errado, entre as quais:

Nos Estados Unidos, nós sabemos o que acontece quando começamos a dividir-nos ao longo de linhas de raça ou religião ou etnia. É perigoso. Nós não percebemos o nosso potencial enquanto país quando estamos a impedir os negros, os latinos, os asiáticos, os gays ou as mulheres de participar plenamente no projeto de construção da vida americana“, garantiu Obama.

Obama fez questão de frisar a seguir: “Nunca me desculparei por dizer que o futuro da humanidade e o futuro do mundo serão definidos pelo que temos em comum, em oposição às coisas que nos separam e, finalmente, nos levam ao conflito”, avança a CNN.

Barack Obama pediu também o alívio da dívida pública da Grécia uma vez que “a austeridade por si só não gera prosperidade“, elogiando o governo e o povo gregos pelos esforços para superar a crise. Durante a visita de Obama, ocorreram vários protestos violentos em Atenas.

O ainda Presidente dos Estados Unidos está a realizar o seu último périplo na Europa. Depois de uma visita de dois dias à Grécia, que termina esta quarta-feira, segue-se a Alemanha onde será recebido pela chanceler alemã Angela Merkel.