Rádio Observador

Narcotráfico

Portugal quer cooperação com São Tomé sobre segurança marítima e narcotráfico

Portugal quer estabelecer uma cooperação triangular que envolva São Tomé e Príncipe e outros parceiros no domínio da segurança marítima e no combate ao narcotráfico transatlântico.

Segurança marítima e de narcotráfico tem relevo e pretende-se realizar uma cooperação entre Portugal e São Tomé e Príncipe

Autor
  • Agência Lusa

Portugal quer estabelecer uma cooperação triangular que envolva São Tomé e Príncipe e outros parceiros no domínio da segurança marítima e no combate ao narcotráfico transatlântico, disse esta quarta-feira o embaixador português no arquipélago.

Estamos disponíveis para promover iniciativa de cooperação triangular, eventualmente em colaboração com outros parceiros internacionais em matéria de capacitação e com enfoque na segurança marítima e no combate ao narcotráfico transatlântico se para tal houver interesse da parte de São Tomé e Príncipe”, disse Luís Gaspar da Silva.

O diplomata luso falava na abertura de um seminário de dois dias sobre “o exercício da autoridade e das responsabilidades do estado costeiro no mar”.

Luís Gaspar da Silva pediu igualmente apoio do governo são-tomense para mobilizar os países da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC) e da Comissão do Golfo da Guiné para uma reunião do género prevista para o próximo ano em Cabo Verde.

Contamos com o apoio e participação de São Tomé na mobilização dos estados membros da comunidade económica dos estados da África central e da comissão do golfo da Guiné para uma efetiva e larga participação na reunião que terá lugar em Cabo Verde”, apelou.

Considerou que no plano político bilateral existem “excelentes laços de cooperação e de camaradagem” entre as “forças militares e de segurança” de ambos os países.

A cooperação técnico-militar e o acordo bilateral que assinámos no domínio da fiscalização conjunta do espaço marítimo, sob soberania ou jurisdição de São Tomé, constituem um enquadramento sólido e estruturante para aprofundarmos a nossa cooperação nestas áreas cruciais”, lembrou o embaixador português.

O ministro são-tomense das Finanças, Comércio e Economia Azul lembrou a importância do mar para a segurança alimentar do seu país, o produto interno bruto e promoção do emprego.

Segundo o governante, em São Tomé e Príncipe o mar contribui cinco mil toneladas de peixe por ano, significando 1,5 milhões de dólares por ano de receita para o tesouro público e 6500 postos de emprego no domínio da pesca artesanal em pescadores e peixeiras.

O seminário sobre o exercício da autoridade e das responsabilidades do estado costeiro no mar que decorre na capital são-tomense conta com a participação de oficiais da marinha portuguesa e são-tomense, do Brasil, dos Estados Unidos da América e da França.

Esse seminário insere-se na iniciativa da marinha portuguesa “mar aberto” de Portugal, que preside o grupo G7 (Grupo dos amigos do Golfo da Guiné) e decorre na sequência da reunião promovida por Portugal na primeira semana de junho passado, em Lisboa.

Na quinta-feira, os ministros da Defesa de Portugal e de São Tomé participam na sessão de encerramento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)