Restaurantes

3 novidades em Lisboa: almôndegas, cachorros e ‘aperitivi’ à italiana

Mais uma ronda por três novas aberturas: o Polpetta, restaurante especializado em almôndegas, o Hottie, com cachorros e ossos para roer e a mercearia italiana La Bottega, onde os copos valem petiscos.

Este é um dos cachorros do novíssimo Hottie. Este dá pelo nome de Machete (4,50€) e inclui porco desfiado em molho barbecue, jalapeños, guacamole, creme azedo e cebolinho.

Underground Mob / www.hottie.pt

Autor
  • Tiago Pais

Polpetta — Almondegaria artesanal

Regueirão dos Anjos, 81, Lisboa. 21 357 0793. Segunda e Terça, das 12h às 15h. De quarta a sábado das 12h às 15h e das 19h às 23h. www.polpetta.pt

O que é? O nome diz tudo. Ou, pelo menos, o que é preciso saber: trata-se de um restaurante especializado em almôndegas, talvez a comida de conforto mais difundida a nível mundial, das polpette italianas (que serviram de inspiração ao nome de batismo da casa) às köfte do Médio Oriente, sem esquecer as köttbullar, popularizadas por uma famosa cadeia sueca de mobiliário. Depois de um período longo de obras e testes, onde os responsáveis foram abrindo o apetite de quem os seguia via Instagram, o Polpetta abriu finalmente as portas a 7 de novembro. O espaço, que acolhe cerca de 30 pessoas, surge despojado de grandes decorações — interessa, sobretudo, o que vem da cozinha, parte dela visível a partir da sala.

As especialidades? Para já o menu apresenta cinco tipos de almôndegas diferentes, que podem ser comidas no prato ou no pão: vaca, porco, frango, atum ou vegetarianas, cada uma delas temperada e enriquecida com ingredientes específicos. A ideia é que os clientes as combinem com os diferentes molhos e acompanhamentos disponíveis. O resultado dessa combinação tanto pode respeitar a tradição (italiana) e jogar pelo seguro — almôndegas de vaca com massa fresca e molho de tomate será a opção mais óbvia neste caso — ou ir mais além e sair da caixa, pelo menos que às almôndegas diz respeito. Cabe ao cliente decidir o que quer.

Preços? Bem razoáveis para o que é servido — a dose no prato contempla quatro almôndegas de porte generoso e custa 5,50€, a que se somam 2,50€ do acompanhamento, tornando o preço médio da refeição próximo dos 10€. Se é para cima ou para baixo, depende do que se beber.

Hottie

Rua de Santa Marta, 27H (Avenida da Liberdade), Lisboa. 21 138 0571. De segunda a quinta, das 12h às 22h. Sexta das 12h às 00h. Sábado das 18h às 00h. www.hottie.pt

O que é? Os brasileiros chamar-lhe-iam lanchonete, os americanos diner — pese a ausência de poltronas e mosaico de xadrez — mas nós portugueses não temos uma palavra que descreva na perfeição este Hottie. Chamemos-lhe snack-bar. É o que é, com algum grau de sofisticação à mistura, bancos altos, mesas corridas e um néon à porta a assinalar o nome e a especialidade da casa: salsichas no pão. Cachorros, portanto. Os responsáveis afirmam, contudo, que apesar da inspiração ser assumidamente americana, os produtos são portugueses. E que querem conjugar o rótulo de junk food com propostas o mais saudáveis possível, dentro do género, recorrendo a ingredientes frescos e mantendo o equilíbrio nutricional.

As especialidades? Em primeiro lugar, os cachorros, servidos em pão tipo brioche com uma de três salsichas: bratwurst, frankfurter ou vegetariana. Escolhe o freguês. As cinco criações disponíveis têm diferentes graus de complexidade — se o cachorro da casa, chamado Hottie, leva apenas cebola confitada, mostarda e ketchup, o Tokyo não deixa a inspiração oriental ficar-se pelo nome e chega à mesa com gengibre, alga crocante, sementes de sésamo, maionese de wasabi e ketchup de miso. A ementa inclui ainda entradas, acompanhamentos e, importante, aquilo a que chamam bones. Ou seja, ossos. Que tanto podem ser de porco, entrecosto com molho barbecue artesanal, ou de frango, nas respetivas asinhas picantes com glacé de limão e sementes de sésamo.

Preços? Os cachorros e os chamados “bones” custam entre 3,50€ e 4,50€ e as entradas e acompanhamentos entre 2€ e 4€. Ao almoço há um menu que junta um cachorro e bebida por 4,90€. Também é possível optar pela versão take-away: cachorro e batatas fritas fica a 4,90€.

La Bottega

Rua Correia Teles, 22A (Campo de Ourique), Lisboa. 93 580 3868. De segunda a sábado, das 10h às 22h. facebook.com/labottegalisboa

O que é? É o terceiro espaço em Lisboa de Alessandro Lagana, o romano responsável pela abertura dos restaurantes Il Matriciano e Il Matriciano al Mare. Neste caso, porém, não se trata de mais um restaurante, antes de uma mercearia/charcutaria onde se podem adquirir todos os produtos que Alessandro vai buscar semanalmente ao seu país natal: azeites, vinhos, massas, enchidos, queijos, biscoitos, entre outros. Se já o fazia para uso exclusivo das suas cozinhas, fá-lo agora com intenção de os disponibilizar ao público. Ainda assim, esta La Bottega não se fica pela venda direta desses produtos — tem também um pequeno espaço para refeições onde, todos os dias, há uma sugestão de prato fixo vindo diretamente de um dos restaurantes do grupo, e onde também se pode beber e picar qualquer coisa.

Especialidades? Além de todos os produtos italianos vindos diretamente da fonte — do presunto de Parma às compotas Masseria del Vicario, fornecedora oficial do Vaticano — o La Bottega aposta forte no aperitivo. Escrito em itálico, neste caso, porque deve ser dito à italiana. Quer isto dizer que a partir das 18h, tal como acontece em muitos bares e restaurantes no país da bota, os clientes que queiram beber qualquer coisa, seja vinho a copo, cerveja artesanal ou um cocktail (como o clássico Aperol Spritz), podem petiscar sem pagar mais por isso. A carrinha de gelados da Nannarella também tem presença assegurada, pelo menos enquanto o tempo o for permitindo.

Preços? Variam, claro, como em qualquer charcutaria, dependendo do que se queira levar. O menu do dia de almoço fica por 9€, com tudo incluído. Já os cocktails andam à volta dos 5€, preço semelhante ao do vinho a copo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Liderar gerações

Francisco Rodrigues dos Santos

Dar lugar ao mérito não é deixar alguém entregue à sua sorte. Pelo contrário. É permitir que o Estado renove a autoridade, limitando-se às tarefas de providência para estar mais próximo dos cidadãos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)