O único restaurante com três estrelas Michelin da Dinamarca, o Geranium, foi multado na quinta-feira por não respeitar condições de higiene do marisco e vai ter de pagar 20.000 coroas (2.688,46 euros).

O The Guardian conta que o restaurante Geranium armazenou marisco – ostras, lagostas e vieiras – a temperaturas demasiado quentes e inapropriadas, durante um longo período de tempo, de acordo com declarações da administração de alimentos dinamarquesa.

PicMonkey Collage

Geranium-14

“Nós consideramos que é bastante grave a empresa ter armazenado, durante tanto tempo, marisco a temperaturas tão altas, e eles sabiam que eram altas demais”, disse um porta-voz da administração alimentar dinamarquesa ao jornal Ekstra Bladet.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O chef do restaurante, Rasmus Kofoed, em declarações à agência de notícias Ritzau, citada pelo The Guardian, salientou que não está de acordo com as críticas e a sanção aplicadas mas, admitiu que, provavelmente, não esteve atento a todas as medidas necessárias para o bom funcionamento do restaurante.

Rasmus Kofoed referiu ainda que o estabelecimento tem estado a usar um sistema computorizado que regulava incorretamente as temperaturas dos alimentos. No entanto, realçou o facto do peixe e do marisco estarem sempre armazenados em gelo.

O relatório feito a 29 de setembro, citado pelo The Guardian, diz que, no restaurante Geranium, foram ainda “detetadas manchas pretas e verdes nas prateleiras de dois refrigeradores e numa embalagem de alhos em conserva”. No entanto, os meios de comunicação dinamarqueses só fizeram referência a este documento na quinta-feira.

O Geranium foi o primeiro restaurante dinamarquês a ser premiado com três estrelas Michelin, durante o Michelin Nordic Guide, em fevereiro deste ano. O restaurante Noma, também na Dinamarca, que já tinha sido nomeado como melhor restaurante do mundo pela revista Britain’s Restaurant, em 2010, 2011, 2012 e 2014, recebeu apenas duas estrelas.

O Noma também já chegou a receber críticas por parte da entidade reguladora de segurança alimentar dinamarquesa, em 2013, quando foi acusado de não tomar as medidas adequadas depois de cerca de 60 clientes e um empregado terem apresentado sintomas do vírus norwalk, que causa vómitos e, consequentemente, gastroentrite.