O antigo primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi apelou este domingo para o voto no “Não” no referendo de 4 de dezembro sobre a reforma constitucional e disse estar disponível para voltar a ser candidato nas eleições gerais.

Numa entrevista ao jornal “Il Messaggero”, Berlusconi disse ter condições físicas para se apresentar como candidato de direita nas próximas eleições, depois de ter sido operado ao coração em junho passado.

“Estou em condições para entrar numa batalha decisiva para a democracia”, assegurou o líder da Forza Italia (FI), que admite no entanto ter de aguardar pelo resultado do recurso para o Tribunal de Estrasburgo da sentença de 2013, que o condenou por fraude fiscal e o impede de se candidatar a cargos públicos até 2019.

Caso Estrasburgo revogue a sentença, afirmou, “o centro-direita não precisa de procurar outros líderes”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sobre o referendo convocado pelo governo de Matteo Renzi para o próximo domingo, Berlusconi apela ao ‘Não’, já que considera que a reforma constitucional se tornou “inaceitável, absurda e má para a democracia”.

Berlusconi considera que esta reforma, que retira capacidade legislativa ao Senado, está pensada para servir o Partido Democrata (PD, no Executivo). O objetivo de Renzi é travar a instabilidade política que tem abalado a Itália, mas há receios de que esta alteração na estrutura do sistema político abra o caminho a uma vitória do partido liderado pelo antigo comediante Beppe Grillo O Movimento Cinco Estrelas, que foi o mais votado nas eleições de 2013, defende a realização de um referendo à continuação da Itália no euro.