O primeiro-ministro anunciou hoje que o país está a executar obras comparticipadas por fundos comunitários em 115 milhões de euros, dos 330 milhões colocados a concurso, mais do que em igual período do anterior quadro comunitário.

“Podemos dizer que já disponibilizámos mais verbas a empresas, municípios e organismos da administração central do que no mesmo período do quadro comunitário anterior, e temos de continuar a trabalhar”, afirmou o primeiro-ministro. “Perdemos muito tempo no arranque deste quadro comunitário e temos estado, ao longo deste ano, a fazer um esforço muito grande para recuperar”, acrescentou.

De acordo com dados disponibilizados pelo Governo, foram lançados concursos para 470 obras, num investimento de 330 milhões de euros. Em curso estão já 226 obras em 129 concelhos, que representam um investimento de 115 milhões de euros.

Desde fevereiro deste ano (ocasião em que foram iniciados os primeiros concursos a fundos comunitários), tos concursos já lançados no âmbito do “Portugal 2020” têm uma dotação de 2,8 mil milhões de euros. Entraram candidaturas equivalentes a 2,3 mil milhões de euros, dos quais 1,1 mil milhões já foram decididos.

António Costa, que falou aos jornalistas durante uma visita às obras de ampliação da Escola EB 2,3 da Venda do Pinheiro, em Mafra, defendeu ainda que os investimentos contribuem para o “crescimento da economia”. O primeiro-ministro adiantou que o Orçamento de Estado para 2017 “prevê um aumento de 22% em investimento público”, desde intervenções em mais de 90 escolas, centros de saúde e três novos hospitais.