O exército nigeriano matou dez militantes do Boko Haram durante um ataque da organização terrorista em Kangarwa, no Estado de Borno, na última sexta-feira. O confronto deu-se durante uma emboscada dos rebeldes às tropas nigerianas junto ao Lago Chade, que sofreram três baixas.

O porta-voz do exército nigeriano, Sani Usman, explicou que foi decidido reforçar a área após várias atividades do Boko Haram na zona. Os confrontos duraram horas, mas terá sido decisiva a intervenção da Força Aérea da Nigéria. As forças armadas nigerianas terão recuperado armamento (que incluía metralhadores, rockets e granadas) e também uma cópia do Alcorão e uma bandeira do Boko Haram.

Desde de 2009, de acordo com um relatório do Banco Mundial divulgado em março pela France Press, no Estado de Borno poderão ter sido mortas 20 mil pessoas, um número superior ao de anteriores estimativas. Além disso, a maioria dos dois milhões de deslocados são originários daquele Estado, feudo do Boko Haram e particularmente afetado pelos ataques e atentados dos ‘jihadistas’.

Nos 27 distritos do Estado de Borno, os combates destruíram ou danificaram cerca de 30% das habitações, 5.335 salas de aula e edifícios em 552 estabelecimentos de ensino, 1.205 edifícios administrativos, 76 postos de polícia, 35 estações de eletricidade, 14 prisões, 201 centros de saúde e 1.630 pontos de água.