António Costa

Governo disponibiliza 18 milhões de euros para melhorar produtividade na plantação de eucalipto

3.777

O Governo vai disponibilizar mais de 18 milhões de euros para melhorar a produtividade na plantação de eucalipto, afirmou esta segunda-feira o primeiro-ministro, António Costa.

PAULO NOVAIS/LUSA

O Governo vai disponibilizar mais de 18 milhões de euros para melhorar a produtividade na plantação de eucalipto, afirmou esta segunda-feira o primeiro-ministro, António Costa.

“O grande desafio que temos pela frente é a melhoria da produtividade na plantação do eucalipto. A produtividade média que temos por hectare é baixíssima e temos condições de a melhorar significativamente”, afirmou António Costa, na Figueira da Foz, durante a sessão de assinatura de contratos de investimento de 125 milhões de euros com o grupo Altri.

O primeiro-ministro situou a produção atual de eucalipto em cinco toneladas por hectare e frisou que melhorar a produtividade significa “subir significativamente” as áreas produzidas por cada hectare.

Na ocasião, anunciou que durante 2017 o Governo, através do ministério da Agricultura, vai abrir um concurso de financiamento de mais de 18 milhões de euros “exclusivamente dedicados” a investimentos que permitam a melhoria da produtividade do eucalipto.

António Costa defendeu que o investimento necessário na floresta portuguesa seja feito no aumento da produtividade e “não necessariamente aumentando as áreas de qualquer tipo de povoamento” e que aumentar a produtividade significa uma melhor gestão, melhor ordenamento, melhores espécies e melhores condições de exploração dos terrenos.

O primeiro-ministro frisou que em Portugal “não são só os matos que estão ao abandono, há muita área florestal e muita área de eucalipto também ao abandono”, em resposta à intervenção na sessão de Paulo Fernandes, um dos dois diretores executivos do grupo Altri, proprietário das celuloses Celbi e Celtejo, que disse que é um “contrassenso” Portugal ter a “maioria” do seu território ocupado por mato.

O responsável do grupo Altri recusou ainda que a indústria papeleira e de pasta de papel seja adepta de monoculturas e também que o peso do eucalipto na floresta portuguesa esteja a aumentar.

“Não é verdade, o seu peso aumenta numa área florestal cada vez menor” e onde a florestação “é residual, e quando é mato”, argumentou Paulo Fernandes, considerando que a “simples proibição” da plantação de novas áreas de eucalipto “preferindo que aí floresça mato, é a todos os títulos pouco recomendável”.

“O nosso desafio é o de aumentar a produtividade da floresta de eucalipto mas também rentabilizar áreas abandonadas”, argumentou Paulo Fernandes.

O diretor executivo da Altri criticou ainda, sem nomear, aqueles que “sentados em gabinetes e não sabendo o que é a floresta, se limitam a criar obstáculos, como se o piorar das condições de gestão da floresta aproveitasse em favor da sociedade e do país”.

Paulo Fernandes concluiu, deixando o aviso que a Altri “está disponível e comprometida a investir em Portugal” mas se o país continuar a “tratar mal” a sua floresta, que designou de petróleo verde, “será sempre mais difícil encontrar racional para esses investimentos”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
684

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Banca

Castiguem os responsáveis! /premium

Manuel Villaverde Cabral
153

A defesa tenaz de alguém como Tomás Correia faz-nos pensar que, se o PS fosse poder quando o BES faliu após toda a trafulhice, os seus líderes não se teriam atrevido a dizer não ao Sr. Ricardo Salgado

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)