Rafael Mora renunciou aos cargos no conselho de administração da antiga Portugal Telecom, hoje Pharol, e também na brasileira Oi. O antigo administrador da Ongoing abandona assim a comissão executiva da Pharol onde estava desde os tempos em que a antiga PT SGPS negociou a fusão com a Oi. A Pharol é a maior acionista da operadora brasileira Oi, com 27,,5% do capital. Rafael Mora renuncioi ao cargo de conselheiro na empresa que está em processo de recuperação judicial, tendo sido substituído por João Vicente Ribeiro.

Mora votou ao lado dos principais acionistas da PT SGPS na assembleia geral de janeiro de 2015 que aprovou a venda da PT Portugal à francesa Altice. E continuou na administração da antiga PT SGPS, mesmo depois da Ongoing ter deixado de ser acionista da empresa, após a execução das ações dadas como garantia de empréstimos bancários. A holding de Nuno Vasconcellos, onde Rafael Mora era o número dois, foi declarada insolvente no ano passado com dívidas da ordem de 1.2 mil milhões de euros.

A Ongoing foi um dos acionistas do núcleo duro da Portugal Telecom, liderado pelo Banco Espírito Santo e por Ricardo Salgado, que aprovou a venda da Vivo em 2010 e a compra de uma participação na Oi. A Ongoing esteve ainda ao lado da fusão da Portugal Telecom com a operadora brasileira que foi consumada em 2014, no mesmo ano em que a PT ficou sem o investimento de quase 900 milhões de euros feito na Rioforte, holding do Grupo Espírito Santo.

Esta operação e a posterior queda do Grupo Espírito Santo e resolução do BES arrastaram a Portugal Telecom para uma espiral de perdas e hemorragia do valor em bolsa e contribuiu para a decisão da Oi, que entretanto tinha integrado os principais negócios da empresa portuguesa, de vender a PT Portugal à Altice por 7.400 milhões de euros.

A PT SGPS, rebatizada Pharol, ficou apenas com uma participação acionista na Oi, cujo valor ficou seriamente comprometido com a entrada em processo de recuperação judicial da empresa brasileira em junho de 2016, não obstante a recente recuperação de valor, animada por notícias de que há investidores interessados na operadora brasileira.

Rafael Mora participou ainda da decisão da comissão executiva da Pharol de apresentar queixas contra os antigos administradores da empresa, designadamente Henrique Granadeiro, Zeinal Bava, e Pacheco de Melo, e pedir indemnizações pelos danos causados à empresa.