O resultado operacional do Grupo Volkswagen subiu nada menos do que 40% no primeiro trimestre deste ano, por comparação com igual período de 2016, passando de 3,13 para 4,37 mil milhões de euros. Segundo o fabricante de Wolfsburg, este resultado muito se deve às substanciais reduções de custos operadas na Volkswagen, a sua principal marca, que viu os seus lucros passarem de 73 milhões de euros no primeiro trimestre de 2016 para 869 milhões de euros no primeiro trimestre de 2017, mantendo-se a expectativa de que a sua margem operacional volte a situar-se entre os 6% e os 7% no final do ano.

Quanto às restantes marcas do grupo, a Porsche contribuiu com um resultado positivo de 932 milhões de euros, a Skoda com 415 milhões de euros e a Seat com 56 milhões de euros. A Audi continua a ser o emblema que mais contribui para os lucros do grupo, embora no primeiro trimestre do ano, e face a 2016, o seu resultado operacional tenha baixado de 1,3 para 1,2 mil milhões de euros. Já a Bentley continua a ser deficitária, ainda que o prejuízo tenha baixado de 54 para 30 milhões em trimestres homólogos.

Em termos de vendas, no primeiro trimestre de 2017, o grupo registou uma quebra de -1,1% a nível global. Sectorialmente, as vendas da Volkswagen caíram -1,3% e as da Audi -7,3%, com as da Skoda (+2,5), da Seat (+14%), da Bentley (+53%), da Lamborghini (+6.4%) e da Porsche (+6,6%) a registarem uma evolução positiva. A título de curiosidade, registe-se que a Bugatti vendeu dois exemplares do novo Chiron nos três primeiros meses do ano.