JonBenét foi uma criança que se destacou nos concursos de beleza infantil e que apaixonou os norte-americanos, mas que sofreu uma morte trágica. O crime, um dos mais mediáticos dos Estados Unidos da América (EUA), é agora explicado num documento da Netflix: “Casting JonBenét”.

A pequena JonBenét era uma criança que não passava despercebida aos concursos de beleza infantil, não tivesse herdado a proeza de sua mãe, também ela, a seu tempo, modelo infantil. Porém, o brilho que resplandecia foi apagado bruscamente depois de ter sido encontrada morta no sótão de sua casa, com apenas seis anos de idade.

O assassinato da “rainha” da beleza infantil tornou-se um dos mais mediáticos dos EUA, sendo apenas superado pelo mediatismo do julgamento de O.J. Simpson.

Os pais ligaram para a polícia após encontrarem uma carta de sequestro que dizia. “Temos a vossa filha. Não liguem para a polícia”. Após oito horas de buscas e investigação ao pormenor, o pai de JonBenét Ramsey, John Ramsey, encontrou o corpo da sua filha coberto com uma manta. Tinha sido asfixiada e apresentava um grande golpe na cabeça.

Teorias diversas se desenrolaram em volta das perguntas que ficavam por responder. O caso foi encerrado sem se conhecer o assassino da pequena JonBenét Ramsey.

A Netflix puxa agora de novo para a ribalta o caso que há 20 anos abalou os norte-americanos. O documentário, que é dirigido pela australiana Kitty Green, não pretende resolver a história, mas sim mostrar todas as teorias e juízos envolventes, uma ” deliberada provocação sobre a noção de verdade que se vive na era dos media”, como se lê no The Guardian.