Vieira da Silva

Vieira da Silva: Governo não dá ordens à Misericórdia de Lisboa

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social afirmou esta quarta-feira que o Governo não dá ordens à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Anteriormente à intervenção do ministro, o deputado do CDS-PP Anacoreta Correia considerou que este processo, desde o seu início, tem sido "pouco tranquilo e pouco sólido"

TIAGO PETINGA/LUSA

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social afirmou esta quarta-feira que o Governo não dá ordens à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), sublinhando que apenas haverá convergência com o Montepio se houver esse interesse da Misericórdia.

No parlamento, onde está a ser ouvido sobre a hipótese de a Santa SCML entrar no capital da Caixa Económica Montepio Geral, Vieira da Silva afirmou que “o Governo não dá ordens à Misericórdia de Lisboa”. “Nem as aceitaria. Há troca de impressões normal. Esta convergência só se verificará se corresponder ao interesse da Misericórdia de Lisboa e se a mesa considerar que esse interesse é compatível”, afirmou o ministro.

O governante disse que “obviamente que há” contactos entre o Ministério e a SCML, mas que a Misericórdia tem “uma grande autonomia” e que a troca de impressões “é a normal”. No final de março, o ministro Vieira da Silva disse que o Governo vê com “simpatia e naturalidade” a eventual entrada da SCML e de outras instituições da área social no capital da Caixa Económica Montepio Geral, o que levou os deputados da Comissão do Trabalho a chamarem o ministro com urgência ao parlamento para mais explicações.

Anteriormente à intervenção do ministro, o deputado do CDS-PP Anacoreta Correia considerou que este processo, desde o seu início, tem sido “pouco tranquilo e pouco sólido”.

Sobre a situação da Associação Mutualista Montepio, outro assunto que trouxe o ministro ao parlamento, o deputado do Bloco de Esquerda Paulino Ascensão apontou as investigações judiciais em curso e questionou se a supervisão do Ministério do Trabalho é suficiente.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A culpa agora é do Costa /premium

Alexandre Homem Cristo
1.020

Há cada vez mais evidências dos erros do governo e deixou de ser plausível a responsabilização de terceiros. A culpa já não é do Passos. A partir de 2019, tudo muda: a culpa agora é do Costa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)