Em 2026, haverá mais 23 milhões de cidadãos norte-americanos sem acesso a cobertura de seguros de saúde no caso de a legislação que revoga e substitui partes do Affordable Care Act, aprovado durante a presidência de Barack Obama, for aprovada. O número foi conhecido nesta quarta-feira e resultam de projeções efetuadas pelo departamento orçamental do Congresso.

A nova previsão reduz em um milhão o total de pessoas que correm o risco de ficar sem acesso a apoios na área da saúde em comparação com os cálculos realizados anteriormente, mas indica 14 milhões podem ficar nesta situação já em 2018 se o diploma em discussão for para a frente. A reforma do Obamacare potencia a tendência para o aumento dos prémios individuais de seguro em 20% durante o próximo ano, de acordo com a CNBC, mas apenas em 5% no confronto com os agravamentos previstos para 2019 sob as regras que estão ainda em vigor.

As poupanças obtidas pelo Orçamento federal norte-americano serão de 119 mil milhões de dólares [106 mil milhões de euros], segundo as novas previsões, um valor menor em 32 mil milhões de dólares do que aquele que foi antecipado nas contas iniciais feitas pela comissão independente para o orçamento (Congressional Budget Office). No início de maio, a Casa dos Representantes aprovou, por uma margem de apenas um voto, o American Health Care Act e os números divulgados hoje têm em consideração as alterações efetuadas ao diploma que recebe o apoio de Donald Trump.