O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, denunciou, esta quarta-feira em Melgaço “mais um exemplo do malabarismo do Governo” referindo-se à redução da comparticipação de determinados medicamentos aos trabalhadores do Estado, nomeadamente a doentes oncológicos ou com esclerose múltipla.

Este Governo é um Governo de malabarismos porque dá com uma mão o que tira com a outra”, afirmou o presidente do grupo parlamentar do PSD.

Questionado pela agência Lusa sobre a pergunta que o grupo parlamentar do PSD enviou esta quarta-feira ao Ministro da Saúde relativa aquela redução, Luís Montenegro afirmou que, esta quarta-feira, Portugal vive “um definhamento nos serviços públicos como nunca viveu, nem nos tempos da crise de 2011 e 2012”.

“Tenho que denunciar a malandrice com que, hoje, os partidos que suportam o Governo encararam o debate político. Parece que estão a devolver muito rendimento às pessoas, mas estão sempre prontos a tirar”, afirma o deputado. Critica o Governo alegando que tira o rendimento, “seja através dos impostos, seja através de medidas como a da diminuição da comparticipação de medicamentos para poderem ir buscar a compensação para a ilusão que criam, parecendo que são, socialmente, muito mais sensíveis do que nós”, sustentou.

Luís Montenegro falava a propósito da pergunta enviada pelo grupo parlamentar do PSD, questionando o ministro da Saúde sobre se “existem situações em que os medicamentos do grupo dos antineoplásicos e imunomoduladores deixaram de ser comparticipados a 100% a beneficiários da ADSE, inclusivamente no âmbito de tratamentos de cancro”.

Entre aquilo que é a conversa e a retórica dos partidos que suportam o Governo e a prática vai uma grande distância”, referiu o presidente do grupo parlamentar do PSD.

Os deputados do PSD referem ainda que a ADSE “estará a comparticipar os referidos medicamentos a 80%, percentagem aplicável à sua utilização fora dos casos de quimioterapia, situação que está a dificultar o direito do acesso por parte de doentes oncológicos”. Segundo o PSD, “estão em causa os cuidados e o atendimento em diversos hospitais do Serviço Nacional de Saúde em regime de Parceria Público-Privada (PPP), designadamente no Hospital de Braga”.

Luís Montenegro adiantou que o grupo parlamentar do PSD apresentou um projeto de resolução que recomenda ao Governo “a presença obrigatória de nutricionistas ou dietistas nas instituições do setor social e solidário e que prestam cuidados a idosos”.

O líder parlamentar do PSD explicou que aquele projeto resultou dos contactos feitos com instituições particulares de solidariedade social e com outras entidades que tratam de idosos, onde era referência regular “a debilidade nas dietas que são servidas de muitas instituições”.

Luís Montenegro referiu que é uma medida que “não envolve grande despesa, por passar pelo aproveitamento da capacidade já está instalada nas autarquias e, nos serviços educativos”. O líder parlamentar social-democrata participa num jantar de apresentação do candidato do PSD à Câmara de Melgaço, Vítor Cardadeiro, com cerca de 200 militantes daquele concelho.