Rádio Observador

Colômbia

Colômbia. Os relatos do terceiro naufrágio do ‘El Almirante’

Falta de coletes salva-vidas, pessoas que ficaram a flutuar por não saberem nadar, más condições, falta de segurança. O que dizem os sobreviventes do naufrágio da embarcação turística na Colômbia?

ADMINISTRATIVE DEPARTMENT OF DISASTER PREVENTION HANDOUT/EPA

É uma embarcação turística, chama-se ‘El Almirante’ e já tinha naufragado duas vezes. Na primeira vez, perto da conhecida Ilha da Fantasia, a proximidade da Marinha evitou uma tragédia; na segunda, à noite, não levava qualquer passageiro. Agora, vitimou pelo menos nove pessoas e existem cerca de 30 pessoas ainda desaparecidas.

O naufrágio da embarcação de recreio no lago de El Peñol de Guatapé, na Colômbia, a 45 quilómetros de Medellín, continua envolto em mistério. Muitas pessoas falam de uma possível sobrelotação como causa do acidente, mas foi o próprio presidente do país, Juan Manuel Santos, a refutar essa possibilidade. Então, o que aconteceu?

Nora Raquel Pérez era uma das 170 pessoas que estavam na embarcação quando, apenas cinco minutos após o início da viagem, se deu o naufrágio. “O capitão começou a gritar e a dizer para fazermos uma série de movimentos. Disse-nos para irmos para um lado, depois para outro, por fim para a frente, mas o barco começou a afundar-se”, contou citada pelo El País, antes de explicar que o capitão foi o primeiro a atirar-se, pedindo às pessoas que fizessem o mesmo para serem salvas. “O meu primo partiu um dos vidros panorâmicos e lançámo-nos à água. Não sei nadar e não sei como flutuei”, disse. “Os organismos de socorro demoraram muito tempo a chegar. Estou com hipotermia, à espera dos meus familiares que vão trazer roupa seca”, concluiu.

“As pessoas compraram os bilhetes e foram-se acomodando ao longo dos quatro pisos do barco. Não entregaram a ninguém coletes salva-vidas, mas vi alguns no segundo piso”, disse María Álvarez ao jornal El Colombiano. A CNN explicou entretanto que o mau tempo e o cair da noite suspendeu as buscas.

Começámos a ouvir um som muito forte de lado e na casa de banho dos homens. Uma das raparigas que nos estava a atender no barco começou a gritar quando começou a ver a água a entrar na embarcação. A confusão foi impressionante, porque toda a gente entrou em pânico e não deixava que subíssemos para o andar mais alto. Agarrei nos meus dois filhos e esperei que o barco se afundasse”, destacou Éder Tobón à mesma publicação. “O barco afundou-se de uma forma muito rápida para quem estava no primeiro piso, mais cedo do que as próprias pessoas que iriam fazer o resgate, todas elas voluntárias, estavam à espera. Quem estava no terceiro e no quarto piso teve mais tempo. Ainda fui com um rapaz à cabina dos salva-vidas, mas rompiam-se com grande facilidade”, acrescentou.

“Ouviu-se um estalo de lado, na parte que suporta os catamarans, o barco virou para a esquerda e começámos a gritar e a dar as mãos às pessoas. O barco estabilizou, mas houve outro estalo, quando estava no terceiro piso. Acabei por ser salvo por uma lancha que passou por ali”, detalhou Gonzalo Reyes, cantor e animador da embarcação. “Perdi tudo, os meus papéis, a minha equipa de som. Não sei porque deixaram trabalhar este barco, não me parece que tenham feito um trabalho profissional. Foi uma desgraça anunciada. Custa-me que tenham morrido pessoas, custa-me pelos familiares e pelo próprio dono do barco, que perdeu a sua filha. Foi uma coisa do destino”.

Por fim, Mary Ospina, outra das sobreviventes, confessou à mesma publicação que “não havia noção de quantas pessoas que viajavam no primeiro e no segundo piso, incluindo crianças e idosos, conseguiram sobreviver”. “O afundamento para eles foi tão rápido que tiveram dificuldades em partir os vidros panorâmicos para saírem sem se afogarem. Quando percebi que a embarcação se ia afundar, atirei-me para a água, não entrei em desespero e mantive-me a flutuar até ser recolhida por um socorrista”, adiantou.

Todos estes relatos contribuem para mostrar que a embarcação não cumpria as obrigatoriedades previstas por lei. “As embarcações que prestem serviço de turismo, recreação e desporto devem estar dotadas de equipamento técnico de salvamento, coletes salva-vidas, equipas de primeiros auxílios e demais cuidados para prevenir qualquer acidente (…) Nenhuma embarcação poderá sair do porto onde exista autoridade fluvial sem que esteja assinada a autorização de saída”, prevê o Código Nacional de Navegação e Atividades Portuárias Fluviais do país, que fala especificamente na lista de passageiros, no certificado da inspeção técnica e do certificado de carga máxima, entre outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)