O líder do PCP admitiu esta quinta-feira que o Governo do PS “decidirá quem é que quer ter como parceiro” na reforma florestal, mas avisou que nem PSD nem CDS têm “soluções boas para a floresta”.

“Os incêndios não se apagam com gasolina”, começou por afirmar Jerónimo de Sousa quando confrontado pelos jornalistas com a eventualidade de o PS chegar a acordo com PSD e CDS para a reforma das florestas, que está em debate no parlamento e que deveria ser aprovada até quarta-feira. Depois, afirmou que “os responsáveis políticos, particularmente destes últimos quatro anos, não têm, com certeza, soluções boas para a floresta”.

Pedrógão Grande. Os melhores trabalhos da tragédia que matou 64 pessoas

É importante, afirmou, fazer novas leis para a floresta, na sequência dos incêndios de Pedrógão Grande, acrescentando que o problema “não está no tempo”, numa referência a uma eventual falta de tempo para concluir a lei, mas sim “numa lei boa”

Uma lei boa precisa das contribuições do PCP. O Governo do PS decidirá quem é que quer ter como parceiro”, rematou.

O PS pediu esta quinta-feira um adiamento das votações, na especialidade, no parlamento, das leis sobre a reforma nas florestas, o que motivou críticas dos seus parceiros à esquerda, BE, PCP e PEV.