Internet

Desmantelados dois dos maiores sites de venda de material ilícito do mundo

155

Nas catacumbas da internet, escondem-se páginas onde é possível comprar tudo: drogas pesadas, armas, pornografia infantil. Esta quinta-feira, dois desses "mercados" foram fechados pelas autoridades

Dois dos maiores mercados negros digitais do mundo foram esta quinta-feira "encerrados"

Getty Images

Dois dos maiores mercados “online” de venda de material ilegal do mundo foram desmantelados esta quinta-feira, num esforço que envolveu autoridades de todo o mundo. O AlphaBay e o Hansa eram dois dos maiores e mais ativos locais da dark web, um conjunto de páginas da Internet como nós as conhecemos mas às quais é difícil ter acesso sem conhecimentos específicos de programação. E “lá em baixo” transaciona-se tudo: de drogas a armas passando por pornografia infantil.

O anúncio foi feito pelo Departamento de Justiça norte-americano mas o desmantelamento destas páginas é o resultado de um trabalho de equipa da qual fizeram parte Agência para o Controlo das Drogas norte-americana (DEA, na sigla em inglês), o FBI e várias forças policiais europeias. Segundo a Interpol, apenas em um dos sites, o AlphaBay, estavam listados mais 25 mil itens ilegais para venda, 200 mil membros e 40 mil vendedores.

Estas páginas operam dentro da rede Tor, um software livre e de código aberto que proporciona o anonimato pessoal ao navegar na Internet e em atividades online. Este sistema permite esconder o endereço de cada computador — e, assim, a identidade do utilizador — pois cada “ordem” que damos ao computador entra numa espécie de ping pong interminável até ser quase impossível detetar de onde veio a primeira ordem. É como utilizar uma rede de estradas debaixo do solo.

O AlphaBay tinha estado inativo desde o início do mês, o que acabou por aumentar as suspeitas, principalmente entre os utilizadores, de que as autoridades estivessem próximas de fechar a página. Todos os dias vendiam-se no AlphaBay centenas de milhares de dólares em drogas, depois de, em 2013, o FBI ter fechado o Silk Road. Quatro anos depois, o AlphaBay já dez vezes maior do que o Silk Road, disse aos jornalistas Andrew McCabe, diretor do FBI até a confirmação — ou não — do nome de Christopher Wray.

As autoridades estavam particularmente preocupadas com a venda de fentanyl, uma droga 100 vezes mais potente que a morfina ou a heroína, que deveria ser utilizada apenas para o tratamento de casos extremos de dor, mas tem provocado uma onda de mortes assustadora nos Estados Unidos. Como não sabem que as drogas que compram podem estar “traçadas” com fentanyl, os toxicodependentes consomem a sua quantidade habitual mas acabam por morrer de overdose.

Alexandre Cazes, fundador do AlphaBay, tinha sido preso dia 5 de julho na Tailândia mas suicidou-se uma semana depois de ter sido detido. Tinha 25 anos.

Jeff Sessions, procurador-geral dos Estados Unidos, fez o anúncio do desmantelamento esta quinta-feira dizendo que esta é “uma das mais importantes investigações criminais do ano”. E deixou um aviso: “A dark net não é um sítio onde os criminosos se possam esconder. Vamos encontrar-vos”.

O Hansa, por seu lado, foi “tomado” pela pela polícia holandesa, que fechou a maioria dos seus servidores. Permaneceu ativo mais tempo, segundo as autoridades, para que fosse possível a identificação dos seus utilizadores, que migraram do AlphaBay para esta página. Segundo a Interpol, esta rede aumentou em mais de oito vezes a sua base de dados de utilizadores apenas em um mês. A agência confirmou ter recolhido cerca de 10 mil endereços eletrónicos de usuários europeus e vai começar agora a investigar aqueles que poderão ter comprado material mais sensível em grandes quantidades.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)