Segurança

Videovigilância. Governo quer polícias a aceder a imagens em tempo real

402

Governo vai avançar com proposta que autoriza PSP e GNR a acederem a imagens de videovigilância em espaços privados de uso público em tempo real, alegando necessidade de prevenir crimes.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Em caso de perigo, as autoridades policias vão poder aceder online e em tempo real às imagens de videovigilância feita em espaços privados de uso público, como aeroportos, estações de comboios ou autocarros, bares, restaurantes, discotecas ou centros comerciais. A informação, que o Público avança hoje, depende apenas da aprovação da proposta de lei que o Ministério da Administração Interna vai propor até outubro, no âmbito da revisão da lei da videovigilância em curso.

A secretária de Estado-adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, explicou em entrevista ao jornal que a medida visa ajudar PSP e GNR a prevenirem crimes, numa altura em que “a segurança e proteção das pessoas é uma questão que não pode ser ignorada”, defende.

Os riscos hoje são maiores do que há uns anos e creio que hoje estamos em condições para dar às forças e serviços de segurança os meios tecnológicos que lhes permitam proteger as pessoas, sem que com isso possam pôr, de forma excessiva, em risco os próprios direitos e liberdades.”

Estão atualmente em utilização três sistemas de videovigilância pelas forças de segurança: Bairro Alto, Amadora e o Santuário de Fátima. São “centenas, para não dizer milhares, de sistemas de videovigilância realizados por particulares em espaços privados de acesso ao público. O que pergunto é: deveremos continuar num sistema em que a protecção de pessoas e bens em determinadas áreas depende de um conjunto de operadores privados?”, questiona a governante.

A questão da privacidade é uma preocupação, mas Isabel Oneto acredita que ela pode ser respeitada mesmo com um acesso online e em tempo real a imagens de segurança. “Se quisermos falar de privacidade, as pessoas já estão a ser gravadas. A questão coloca-se entre a legitimidade do privado e a legitimidade do público.” E recorda que as imagens recolhidas nestas situações já ficam guardadas durante 30 dias.

Para avaliar os critérios que definem “situação de risco”, a governante esclareceu que foi pedido “um parecer ao Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República para perceber quais eram as condições de admissibilidade da recolha e captação de som pelas forças e serviços de segurança”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)