Homossexualidade

Graça Fonseca considera “importante” assumir homossexualidade

5.065

Graça Fonseca justifica de forma "completamente política" a divulgação pública da sua orientação sexual. E considera importante que outras personalidades públicas façam o mesmo.

LUSA

Graça Fonseca, secretária de Estado da Modernização Administrativa assumiu a sua homossexualidade numa entrevista publicada esta terça-feira no Diário de Notícias, justificando a sua afirmação de forma “completamente política”.

A governante, que já tinha sido vereadora de António Costa na câmara de Lisboa, disse considerar “importante” haver personalidades a afirmar “publicamente que são homossexuais”. E explicou que “as pessoas perceberem que há um seu semelhante, que não odeiam, que é homossexual” pode ajudar a combater o preconceito:

Acho que se as pessoas começarem a olhar para políticos, pessoas do cinema, desportistas, sabendo-os homossexuais, como é o meu caso, isso pode fazer que a próxima vez que sai uma notícia sobre pessoas serem mortas por serem homossexuais pensem em alguém por quem até têm simpatia.”

Apesar de ter feito esta revelação pública, Graça Fonseca diz que “a privacidade é absolutamente fundamental”. A responsável por programas como o Simplex considera que não basta fazer leis como as uniões e facto, o casamento ou a adoção para mudar as mentalidades: “Não bastam para mudar a forma como olho para o outro, que aquilo que muda a forma como olhamos para os fenómenos tem muito que ver com empatia…”

A opção sexual de cada um “não afeta em nada o que se faz”, acrescenta a secretária de Estado. “É indiferente se estou com um homem ou com uma mulher. Não altera em nada a forma como faço o Simplex, como faço o orçamento participativo”, afirma ao DN.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Extrema Esquerda

Esquerda, direita, “gays” e jornalismo

Miguel Pinheiro
838

Para Rosas, Adolfo não é homossexual – é “gay”. E não é gay – “diz” que é gay. Mais: não é “moderno” – é “ai que moderno”. E não é só “ai que moderno” – é “ai que moderno” com as mãozinhas no ar.

Igreja Católica

O deputado e o Cardeal

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.174

Em Portugal, não é precisa nenhuma coragem para se ‘assumir’. Mas é necessário muito valor para alguém se afirmar católico, sobretudo se for fiel ao magistério e à tradição da Igreja.

António Costa

Costa e a rábula do bom aluno

Helena Cristina Coelho

Se o plano do Governo ao acenar com estas (não tão novas) propostas de impostos europeus é cair nas boas graças da liderança europeia, está na direção certa. Só lhe falta o título de "bom aluno".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)