Paulo Vistas, presidente da câmara de Oeiras e candidato independente lamentou a ausência de Isaltino Morais no debate com os candidatos à autarquia, realizado nesta quinta-feira, acusando-o de não sentir necessidade de “debater nem o presente nem o futuro”.

Mostra arrogância não só para com os outros candidatos como para com os eleitores”, sublinhou ainda Paulo Vistas.

As acusações foram feitas no início do debate transmitido pela TVI24 que reuniu quatro candidatos à Câmara Municipal de Oeiras: o independente Paulo Vistas, Joaquim Raposo, do Partido Socialista, Heloísa Apolónia, da CDU, e Ângelo Pereira pelo PSD/CDS-PP/PPM.

O candidato independente Isaltino Morais não esteve presente no debate apesar de ter sido convidado no passado dia 9 de agosto. Mas no convite feito não constava que Heloísa Apolónia e Ângelo Pereira também estariam no debate, o que levou Isaltino Morais a recusá-lo por considerar que “o leque de candidatos presentes não era representativo do espectro político local”, informou o Grupo de Cidadãos Eleitores “Isaltino – Inovar Oeiras de Volta” em comunicado.

Esta não é a primeira vez que existem controvérsias entre os dois candidatos. Isaltino Morais sugeriu, numa conferência de imprensa, que a decisão do juiz Nuno Tomás Cardoso foi tomada contra si porque “Paulo Vistas é padrinho de casamento do juiz” — o que levou o Conselho Superior da Magistratura a abrir um inquérito destinado a apurar a “alegada relação de proximidade entre o juiz” e o atual presidente da Câmara de Oeiras. A candidatura de Isaltino Morais ao muncicípio de Oeiras acabou por ser aceite pelo tribunal cerca de uma semana depois de ter sido rejeitada.