Incêndios, assaltos, casos, demissões, remodelações. O de 2017 foi um verão para esquecer para o governo PS mas, atesta a sondagem Aximage feita nos passados dias 29 e 30 de agosto para Jornal de Negócios e Correio da Manhã, tanto o partido como o primeiro ministro, António Costa, seguem praticamente incólumes rumo ao outono.

Apesar de ter caído um ponto percentual relativamente ao mês anterior, o PS, com 43%, não só continua líder de intenções de voto como ainda conseguiu aumentar a distância que o separa do PSD, que não foi além dos 22,9%. O BE também caiu um ponto, fixando-se nos 9,1%; a CDU mantém-se nos 7,8% e o CDS perdeu apenas uma décima e tem 5,2% das intenções de voto dos portugueses.

Avaliado pelos eleitores numa escala diferente, António Costa conseguiu 12,9 pontos em 20 — em julho tinha conseguido 13,1, acusando os acontecimentos do mês antecedente, em que os portugueses inquiridos lhe tinham dado 15,6. Já Pedro Passos Coelho, líder do PSD, manteve-se igual a julho, com nota negativa: 4,7. Assunção Cristas (CDS) desceu dos 7,8 para os 7,2; Jerónimo de Sousa (PCP) subiu dos 9,9 para os 10; e Catarina Martins (BE) dos 10,6 para os 11,3.