Leonardo Dicaprio

Leonardo DiCaprio pode interpretar Joker em novo filme de Scorsese

151

Há novos rumores em redor do suposto novo filme produzido por Martin Scorsese sobre a origem de Joker. Leonardo DiCaprio é um dos atores apontados para interpretar o papel do palhaço da DC Comics.

Getty Images

Os rumores de que Martin Scorsese está a produzir um filme sobre a origem de Joker, o inimigo de Batman, adensam-se. O Hollywood Reporters avança que o autor de “Taxi Driver” quer Leonardo DiCaprio para interpretar o palhaço mais famoso das histórias da DC Comics. A confirmar-se esta informação, o filme, que seria independente e distribuído pela Warner Bros, seria o primeiro do mundo dos livros de quadradinhos que Scorsese produziria e em que Leonardo DiCaprio participaria.

A história de Batman e do seu eterno vilão, Joker, não é nova na sétima arte. Depois de ter ganho o Óscar de Melhor Ator pelo filme “The Revenant” (“O Renascido”, em português), da autoria de Alejandro G. Iñárritu, Leonardo DiCaprio pode herdar o papel que já foi interpretado por Jared Leto, Jack Nicholson ou Heath Ledger. E apesar de nunca se ter aventurado em filmes desta natureza, DiCaprio já é presença habitual nas produções de Martin Scorsese, que chamou o protagonista de “Titanic” para o papel principal em “Shutter Island”, “O Lobo de Wall Street” ou “O Aviador”.

Entretanto, outros pormenores têm vindo à tona e podem desvendar mais sobre o que se vai passar neste alegado novo filme. Julga-se que, por retratar o nascimento de Joker, esta produção possa passar-se nos anos 80 na cidade de Gotham, palco de toda a trama de Batman. E Martin Scorsese pode ser o produtor por a Warner Bros. querer um estilo “Taxi Driver” nesta obra. Mas ainda não há confirmações.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Arquitetura

Um museu dos “portugueses eram mesmo maus"?

José Manuel Fernandes Arq.

Reivindico o direito que temos à essência do nosso país, a assumir do seu contributo para o Mundo ao longo dos últimos 600 anos de expansão e colonização. Sem isso pouco Portugal teria dado ao planeta

Museus

Descobertas e má consciência /premium

Paulo Tunhas

O que a conversa contemporânea sobre a palavra “descobertas” faz é omitir os diferentes sentidos da palavra. Tal como para as celebrações de Salazar, é o aspecto político o único que realmente conta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)