Rádio Observador

Videojogos

“Last Day of June”: o amor não termina com a morte

Uma história de amor e de perda baseada na obra de Steven Wilson. O enredo tem num acidente inevitável o ponto de partida para o melhor e mais belo jogo de 2017 do qual não vão ouvir falar.

Last Day of June/Ovosonico

Começa a ficar cada vez mais estreita a linha que separa os videojogos do cinema. Last Day of June, uma pequena produção indie do estúdio italiano Ovosonico é disso um dos mais fortes exemplos, deixando-nos na dúvida se não o poderemos considerar também um dos mais tocantes filmes de animação deste ano.

A temática é pesada e contrasta com a beleza e o ambiente terno de todo o jogo. A inevitabilidade da morte e o sofrimento de quem fica vivo acaba por ser a tela onde Massimo Guarini e a sua equipa pintam esta história triste, colocando-nos a dúvida dos limites que quebraríamos para evitar a morte de quem amamos.

É esse o confronto de Last day of June, na forma delicada como nos faz seguir os últimos momentos da vida de June, antes do terrível acidente de viação que a vitima e que deixa o seu marido Carl preso a uma cadeira de rodas.

Carl acorda assolado por pesadelos e acossado pela incapacidade de ultrapassar a morte do amor da sua vida, o que ao mesmo tempo lhe confere o poder de voltar atrás no tempo para o evitar. O que se segue, mecanicamente, é uma sequência de revisitas às últimas horas da vida de June, pelos olhos dos restantes personagens que habitam o seu pequeno mundo, à medida que vemos os pequenos eventos aparentemente inconsequentes que levam ao despiste e ao fatídico acidente. A resolução de puzzles narrativos são os momentos que alteram a linha de enredo da vida de cada um dos personagens periféricos a June, e que vão conduzir à sua morte.

O peso da repetição do momento do acidente (ainda que apenas ouçamos ou som do embate antecedido de um clarão) é aquilo que torna a nossa angústia progressivamente mais pesada. Sempre que tentamos alterar o passado sem sucesso o dia termina com o acidente. Sempre que conseguimos alterar o decorrer dos eventos, um novo elemento entra em cena e o dia termina com o acidente. Todas as nossas ações levam-nos ao final do dia onde os últimos momentos de June surgem e cuja sequência em vídeo não pode ser ultrapassada com um botão: temos sempre de ser confrontados com a terrível realidade do casal e assisti-la mais uma vez.

O desespero de Carl (e o nosso) em conseguir alterar com eficácia a corrente de eventos que leva ao último dia de June é uma das representações emocionais mais duras que os videojogos nos conseguiram trazer de forma cinematográfica. Sem uma única linha de diálogo inteligível ou algum texto a acompanhar, há uma mutiplicidade de micro-enredos que percebemos nos seis personagens que compõem esta história, e que nos mostram como as suas tristezas e vivências pessoais vão conduzir ao ponto específico do dia em que o despiste de Carl e June acontece.

E sempre que conseguimos mudar o passado, essa alteração leva a um novo acontecimento que invariavelmente leva novamente ao acidente. Apesar duma abordagem de quase realismo mágico, vamos sentido o peso da consciência de que não importa quantas alterações ao passado façamos mas que o destino de June está traçado.

Um dos grandes elementos de comunicação desta obra acabou por ser a inspiração no trabalho de Steven Wilson, o “rei do prog” como quase todos os media e proggers o apelidam, apesar da recusa do músico em relação ao título e que acabou por criar um mediatismo de nicho para este “filme interativo”. Uma obra sentimental baseada nas suas composições, especialmente na música “Drive Home” e cuja estética é influenciada pela animação do videoclipe oficial. É brilhante o modo como surgem a músicas despidas de vocalização no ambiente e como são utilizadas como expoente emocional, recriando a mistura ideal para Last Day of June: a criação de um ambiente etéreo com laivos de ternura e melancolia.

Last Day of June é uma experiência curta, e são perto de duas horas que passamos neste pequeno lugar com muitas histórias tristes para contar, aproximando-o em termos de ritmo e de duração a um filme de animação interativo, que pode ser vivido apenas no PC e na PS4.

Revelar qualquer pormenor sobre a história ou sobre a sua conclusão é destruir por completo a arrebatadora viagem emocional que ele é. Fica apenas a consciência de que esta é uma bela história de amor e de perda, à qual é quase impossível assistir sem derramar uma lágrima. Jogá-lo é saber, à partida, que pelo meio dum conto de amor há uma tristeza crescente e que é aumentada pelo facto de Carl (e o restante elenco) nos representar, na imersão que os videojogos permitem.

Este não vai ser um jogo hiper-mediatizado até pela dimensão da equipa que o desenvolveu, mas é certamente o melhor e mais belo jogo de 2017 do qual não vão ouvir falar.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)