Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Esta manhã telefonei ao Presidente Masoud Barzani para lhe dar os parabéns pelo referendo do Curdistão. Desejámos grandes sucessos um ao outro.” O Presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, utilizou o Twitter para anunciar assim as felicitações que enviou ao seu homólogo curdo no Iraque, a propósito do referendo à independência da região. Um gesto que não é imune ao facto de a Catalunha ir ter o seu próprio referendo à independência no próximo domingo.

Os dois atos eleitorais partilham algumas semelhanças, nomeadamente o facto de não serem reconhecidas pelos governos centrais dos países dos quais as duas regiões se querem separar, Espanha e Iraque. Contudo, como a Euronews explicou, há alguns elementos que distinguem as duas consultas eleitorais: o facto de o referendo curdo se basear no direito à independência de uma minoria étnica; a autonomia mais considerável de que os curdos já gozam no Iraque, em comparação com os catalães; a falta de mecanismos de transição criados para o caso curdo; a intervenção limitada de Bagdade face a Madrid; e, por fim, as fronteiras de cada região, já que a Catalunha é um espaço muito mais definido e a minoria curda está espalhada por vários países para lá do Iraque, como a Turquia, o Irão e a Síria.

Puigdemont, uma voz sozinha

Enquanto Puigdemont felicita Barzani, os restantes líderes mundiais são bastante mais críticos do referendo curdo. A começar por António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, que disse na passada segunda-feira, através do seu porta-voz, que o referendo tem “efeitos potencialmente destabilizadores” na região. “O secretário-geral respeita a soberania, integridade territorial e unidade do Iraque e considera que os outros assuntos entre o governo federal e o governo regional do Curdistão devem ser resolvidos através do diálogo”, declarou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Também o executivo norte-americano, através do Departamento de Estado, disse estar “muito desapontado” com o facto de a votação ter ido para a frente. “Cremos que este passo irá aumentar a instabilidade e as dificuldades para a região do Curdistão e do seu povo”, disse a porta-voz Heather Nauert. A União Europeia e o Kremlin também deixaram clara a sua oposição ao referendo, por respeito à integridade territorial do Iraque.

As reações mais duras vieram da Turquia e do Irão, ou não fossem eles países que têm igualmente minorias curdas no seu território. O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou mesmo “fechar a torneira” do oleoduto por onde seguem as exportações curdas de petróleo para a Turquia e anunciou exercícios militares conjuntos com o governo iraquiano. Já o Irão, para além de considerar o referendo “ilegal”, acabou com todos os voos de e para o Curdistão iraquiano.

Turquia encerra fronteira e ameaça petróleo em represália a referendo curdo iraquiano

O referendo iraquiano contou com uma participação eleitoral elevada, de 72%, segundo avança a BBC. Os resultados oficiais só serão conhecidos daqui a alguns dias, mas a informação divulgada até agora de forma não oficial dá conta de que mais de 90% dos eleitores terão votado a favor da independência.