Burla

ONG Viver 100 Fronteiras suspeita de burla com roupa doada para fins humanitários na Guiné

128

A Organização Não-Governamental Viver Sem Fronteiras é suspeita de desviar roupa doada para fins humanitários na Guiné. A suspeita vem depois de a GNR ter apreendido vestuário avaliado em 4,2 milhões.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Organização Não-Governamental Viver Sem Fronteiras é suspeita de desviar roupa doada para fins humanitários na Guiné, depois de a GNR lhe ter apreendido vestuário avaliado em 4,2 milhões de euros, disse fonte ligada ao processo.

A mesma fonte adiantou à agência Lusa que a ONG, presidida por Natália Oliveira, tinha num armazém em Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro, 96 mil artigos de vestuário das marcas Salsa e Tiffosi, que teriam como destino a comercialização e não a ajuda a pessoas carenciadas na Guiné-Bissau.

A ONG está indiciada da prática dos crimes de burla qualificada e fraude fiscal, referiu a GNR esta terça-feira, em comunicado, acrescentando que a roupa apreendida em Santa Maria da Feira valeria 4,2 milhões de euros.

Contactada pela Lusa, Natália Oliveira confirmou as buscas nas instalações da ONG a 4 de setembro passado e remeteu para mais tarde esclarecimentos em comunicado a enviar à Lusa.

Em março de 2016, a Viver 100 Fronteiras ponderava abandonar a Guiné-Bissau, país para onde enviou entre 2008 e maio deste ano 46 contentores, de 46 toneladas, com ajuda para os setores da saúde, educação e alimentação, avaliada em 52 milhões de euros. Na ocasião, o Governo da Guiné-Bissau informou a Lusa que desconhecia a existência da ONG por não se encontrar nos seus registos e ainda por esta “nunca se ter relacionado” com aquela estrutura governamental.

Criada em 2008 para levar ajuda à Guiné, a Vivem 100 Fronteiras tem vindo a realizar missões de ajuda no Senegal, São Tomé e Cabo Verde e, em maio deste ano, anunciou à agência Lusa que tinha previsto prestar apoio no Haiti, Costa do Marfim e Moçambique.

A Fundação João XXIII/Casa do Oeste, localizada na Lourinhã, distrito de Lisboa, é também suspeita de um esquema idêntico, tendo sido constituídos arguidos, no início de setembro, o padre seu presidente e uma voluntária, indiciados pelos mesmos crimes.

Na ocasião, numa busca realizada numa garagem de uma habitação em Mafra, propriedade da arguida, a GNR veio a apreender 2.700 peças de vestuário da marca Salsa, estimadas em 208 mil euros.

A GNR efetuou também outra busca numa loja solidária da Fundação, em Mafra, onde não veio a apreender quaisquer artigos suspeitos. A roupa estaria a ser comercializada de forma ilegal e a preços mais atrativos, provocando um decréscimo anormal nas vendas dos representantes da marca naquela região, explicou fonte da GNR à Lusa.

A 8 de setembro, em comunicado, a Fundação, que há 28 anos leva missões de solidariedade à Guiné, confirmava a realização das buscas e de bens doados para serem enviados para a Guiné, acrescentando que estes não foram apreendidos pela GNR.

Esclarecia ainda que a mulher constituída arguida não é sua voluntária e admitia “incorreções de procedimento e, eventualmente, de legalidade” em algumas ações de solidariedade realizadas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)