Rádio Observador

Documentários

Gordon Ramsay conta que já lhe pediram para polvilhar um souflé com cocaína

262

Há 14 anos, perdeu um dos melhores amigos para a droga que descreve como o "pequeno segredo sujo" da indústria da restauração. Agora, o chef escocês fala contra a cocaína, num documentário para a ITV.

Gordon Ramsay procurou vestígios de cocaína nas casas de banho dos seus 31 restaurantes -- só não encontrou a droga num

Frazer Harrison/Getty Images

Aconteceu em maio de 2003: num assomo supostamente causado por um delírio de excitação provocado pelo consumo de cocaína, David Dempsey, 31 anos, três filhos, caiu de um segundo andar e morreu. Foi a Gordon Ramsay, seu amigo e patrão, que há apenas duas semanas o tinha feito chef principal do seu restaurante de 3 estrelas Michelin no bairro londrino de Chelsea, com um salário anual de 70 mil libras, que o médico legista pediu que reconhecesse o corpo na morgue.

No sangue, revelaram os jornais britânicos, o protegido de Ramsay tinha 1,36 miligramas de cocaína por litro de sangue. Na altura, um especialista em toxicologia no Hospital de St George explicou ao Guardian: 0,9 miligramas são suficientes para levar à morte.

Quebrei fisicamente. Não consegui passar para lá daquele vidro um tipo de quem gostava tanto. Levei anos a ultrapassar aquilo. E ele não era o meu filho, era o meu chef”, confessa agora o conhecido chef britânico em entrevista de promoção ao documentário de duas partes que fez para a ITV: “Gordon Ramsay on Cocaine”.

Que a exigência e frenesim do mundo da restauração são tais que grande parte dos que lá trabalham o fazem movidos a cocaína e álcool já se sabia — muito graças a outro chef famoso, Anthony Bourdain, que em “Cozinha Confidencial” abre o livro e conta tudo sobre o incrível mundo de “sexo, drogas e rock’n’roll” da gastronomia.

Gordon Ramsay, que garante que o consumo da droga “está a ficar fora de controlo”, revela agora de que forma a cocaína está a “devastar o mundo”, desde as plantações de coca na Colômbia às casas de banho dos seus 31 restaurantes espalhados pelo mundo. Garante que testou todas elas em busca de vestígios da substância — e que só não os encontrou numa.

“Tornou-se no meu maior pesadelo, não para identificar quem consumia e os por fora, mas para prevenir outra desgraça. Hoje em dia toda a gente quer ser chef, há a ideia de que ser chef traz uma espécie de estatuto rock’n’roll. Toda a gente quer escrever livros de cozinha e toda a gente quer ter um programa de TV. Mas a cada 6 ou 12 meses lê-se sobre mais um caso de um chef com problemas de depressão, de abuso de álcool ou de consumo de drogas”, cita o Daily Record, a partir de uma entrevista de Ramsay à Radio Times.

Nessa conversa, o autor de programas como Pesadelos na Cozinha fala ainda sobre os clientes e aponta o dedo à indústria da restauração, que compactua com aquilo a que chama um “pequeno segredo sujo”. Com direito à descrição de episódios concretos, como o da vez em que, num jantar de beneficência, um casal lhe pediu uma cobertura especial para o último prato: “Quando a sobremesa chegou à mesa, chamaram-me e disseram-me, ‘Olhe, está toda a gente muito contente por tê-lo aqui, mas acha que pode fazer um souflé como nunca antes fez e juntar cocaína ao açúcar em pó e polvilhá-lo com ela?’. Ri-me mas nunca na vida faria algo sequer parecido. Juntei o açúcar ao souflé e caramelizei-o, para que eles não tivessem hipótese de saber se o tinha feito ou não. Pousei o souflé. Nem disse adeus. Saí pela porta traseira”, cita o Guardian.

Outro incidente, ocorrido no passado Natal, foi o que terá levado o chef, de 50 anos, a fazer o documentário, que estreia no próximo 19 de outubro, na ITV: um cliente, num dos seus restaurantes, levou o prato da mesa para a casa de banho, para poder aspirar a droga, e quando saiu pediu a um empregado que lhe trouxesse um limpo. “Foi com isto que começou todo o meu dilema sobre quão longe isto está a ir e sobre a pressão a que os restaurantes estão sujeitos por parte dos clientes”, explicou.

Na mesma entrevista, Gordon Ramsay falou ainda sobre outra droga: a heroína. E sobre o irmão, Ronnie, dependente há anos da substância, que terá sido visto pela última vez há cerca de seis meses, a atuar na rua, algures em Portugal: “As pessoas pensam que a cocaína é glamorosa — não é. Destrói vidas e tem um lado negro que raramente é falado. Assisti ao vício do meu irmão. Perdi um melhor amigo para a cocaína. Agora, que estou a lidar com o filho do David Dempsey e o estou a treinar, a ensinar e a ver crescer, penso, Deus, se ao menos o pai estivesse aqui para ver isto. Ele está a perder tanto. E a responsabilidade é minha. Não tinha de ter acontecido. Se ao menos eu me tivesse apercebido. Ele era um tipo enérgico, apaixonado…”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)