Pedro Santana Lopes

Santana Lopes deixa na sexta-feira funções na Santa Casa

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes termina na sexta-feira funções como Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, disse à Lusa fonte da instituição.

JOSÉ COELHO/LUSA

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes termina na sexta-feira funções como Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), disse à Lusa fonte da instituição.

De acordo com uma mensagem de correio eletrónico que circula na Santa Casa, Santana Lopes convidou todos os funcionários para estarem presentes pelas 12:15 de sexta-feira numa das salas da instituição, para o que será uma despedida dos trabalhadores.

Santana Lopes, que está na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desde 2011, encontrava-se a desempenhar o segundo mandato e era já o provedor por mais tempo em funções desde o 25 de Abril.

Desta forma, o antigo primeiro-ministro irá apresentar publicamente a sua candidatura à liderança do PSD – no domingo, em Santarém – já desligado das funções de provedor da Santa Casa.

O Governo divulgou em 11 de outubro a nomeação de Edmundo Martinho para o cargo de provedor da SCML, após Pedro Santana Lopes ter comunicado a sua saída.

Pedro Santana Lopes anunciou em 10 de outubro que era candidato à liderança do PSD, no programa de debate semanal com o socialista António Vitorino, do qual se despediu também esta semana.

O PSD escolherá o seu próximo presidente em 13 de janeiro em eleições diretas, com Congresso em Lisboa entre 16 e 18 de fevereiro.

Até agora, anunciaram-se como candidatos à liderança do PSD o antigo presidente da Câmara do Porto Rui Rio e o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes.

O atual presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, já disse que não se recandidata ao cargo que ocupa desde 2010.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)