O responsável na BMW pela condução autónoma, Klaus Buettner, atirou duas setas aos seus colegas e rivais da Audi, afirmando, por um lado, que o A8 “não traz nenhum benefício para o consumidor” e, por outro, defendendo que “há anos, nós estávamos exactamente neste ponto”.

Segundo a BMW, o sistema de condução autónoma de nível 3 que a Audi está preparada para incluir no A8 assim que tal for legalmente possível, ou seja, assim que se criar legislação para que a responsabilidade dos acidentes, que eventualmente venham a acontecer quando a viajar de forma autónoma, seja responsabilidade do construtor e não de quem está sentado atrás do volante – tanto mais que não está a conduzir –, só funciona em auto-estradas com separador central e até 60 km/h.

Buettner afirma que a BMW está a trabalhar em sistemas autónomos mais avançados, que só estarão disponíveis em 2021, altura em que já poderão funcionar até 130 km/h. Isto sem especificar se será apenas em auto-estradas ou até em estradas secundárias e zonas urbanas. E o técnico alemão promete ainda que os seus modelos atingirão o nível 4 e 5 nos próximos anos, ou seja, sem qualquer intervenção do condutor, que poderá nem estar a bordo.

Este ataque entre construtores é raro. Especialmente entre dois germânicos que, para cúmulo, disputam o mesmo segmento, ainda que este possa ser exactamente o problema. A realidade é que a Audi se comprometeu a disponibilizar um sistema autónomo de nível 3 para funcionar em auto-estrada, até 60 km/h, para daqui a meia dúzia de meses. Em 2018, não em 2021, como fala a BMW, apesar de prometer uma solução mais sofisticada. É a velha história entre ter um pássaro na mão e dois a voar…