Rádio Observador

PSD

Maria Luís Albuquerque: “A confiança não depende dos afetos ou da percepção de quem é que se gosta mais”

Ex-ministra das Finanças diz que os portugueses precisam "de ter uma alternativa", não precisam necessariamente de "afetos". Em entrevista ao Público e Renascença, diz que ter défice zero é positivo.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Passos Coelho, Pedro Santana Lopes e Rui Rio são pessoas com “personalidades muito diferentes” e, por isso, “a mudança de liderança do PSD levará a uma diferença de perceção” dos portugueses sobre o partido. Isso é certo, mas Maria Luís Albuquerque não acredita que haverá mudanças de fundo na estratégia ou na matriz ideológica do PSD: “Ambos se revêem nessa matriz”, diz.

Em entrevista ao jornal Público e à Rádio Renascença, a ex-ministra das Finanças e atual vice-presidente do PSD rejeita que sejam precisos “afetos” para o PSD voltar ao poder em 2019. ”

Acho que os portugueses precisam, sobretudo, é de ter uma alternativa a uma forma de governação que sintam que representa melhor aquilo que são as suas ambições e necessidades”, diz, acrescentando que “as personalidades têm alguma influência, mas a maneira como os políticos se posicionam é também influenciada pelas circunstâncias”.

Ou seja, a própria Maria Luís e Pedro Passos Coelho também teriam tido, eventualmente, uma atitude diferente se não tivessem governado em circunstâncias “tão difíceis”. Teriam sido mais afetuosos? Talvez.

Mas a ex-ministra insiste que em política, na hora de escolher uma alternativa de governação, o essencial não são os afetos. E para isso lembra Cavaco Silva: “Toda a vida vi na imprensa que as pessoas não gostavam dele e ganhou quatro maiorias absolutas, que é coisa que ninguém conseguiu até hoje e que dificilmente se replicará”. “A questão do gostar, no sentido de a pessoa ser mais ou menos afetuosa não me parece que seja assim tão determinante nas escolhas”, diz. Ou, por outras palavras: “A confiança não depende necessariamente dos afetos ou da perceção de quem é que se gosta mais”.

Sobre a não-recandidatura de Passos Coelho à liderança do PSD, Maria Luís tem “pena”, e sobre a escolha entre Rui Rio ou Pedro Santana Lopes, diz que “ainda precisamos de ouvir bastante os dois candidatos”.

O importante é que qualquer um deles seja capaz de manter o PSD como uma alternativa sólida, credível, em que os portugueses possam confiar para o futuro do país”, avisa.

Ao CDS de Assunção Cristas avisa que “o PSD continua a ser um partido de muito maior dimensão e implementação”, que tem “sempre a ambição de obter um resultado que lhe permita governar sozinho”. Só se não o conseguir é que o CDS aparece como “aliado natural”.

Sobre o Orçamento do Estado, a ex-governante critica as escolhas de Mário Centeno e concorda com Rui Rio ao dizer que “ter défice zero ou excedente é uma coisa positiva”, assim como que “reduzir a dívida, em percentagem do PIB ou em valor absoluto, é o maior contributo que podemos dar para a sustentabilidade futura”. Tudo o que o atual Governo não está a fazer, defende.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)