Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Polícia Judiciária deteve esta quinta-feira 52 pessoas em Lisboa, no Bairro da Cruz Vermelha (Alta de Lisboa). Os detidos são suspeitos do crime de tráfico de droga praticado através de organização criminosa, avançou Patrícia Silveira da unidade de contra-terrorismo da Polícia Judiciária, em conferência de imprensa.

Em comunicado, a PJ acrescenta que esta ação insere-se numa investigação por crimes de tráfico de droga, associação criminosa e branqueamento de capitais, conduzida pelo DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal) de Sintra. A operação cumpriu 100 mandados de busca domiciliária e deteve 52 pessoas, 49 em cumprimento de mandados de detenção e três em flagrante delito. Foram ainda apreendidos vários elementos de prova, dos quais se destaca droga, dinheiro, viaturas e armas proibidas.

Os detidos, 43 homens e 9 mulheres, com idades compreendidas entre os 17 e os 61 anos, serão sujeitos a partir de amanhã ao primeiro interrogatório judicial para aplicação de medidas de coação

Na operação, que começou ainda durante a madrugada e obrigou a uma “grande logística”, colaboraram inspetores de várias unidades. Foram feitas mais de 100 buscas que terão resultado na apreensão de armas. A PJ não confirma ainda apreensão de armas ou drogas, mas adianta que estiveram no local cerca de 260 inspetores. A operação foi conduzida pela unidade nacional de contraterrorismo, mas a PJ assegurou que a unidade de combate ao tráfico de estupefacientes, também está envolvida na investigação que visa vários crimes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta operação em concreto, que ocorreu numa fase intermédia, visou uma associação criminosa altamente estruturada e com níveis de liderança definidos, acrescentou a responsável da PJ que não afastou o cenário deste inquérito visar outros crimes. A mesma dirigente confirma que entre os detidos, a maioria do Bairro da Cruz Vermelha, há suspeitos considerados perigosos, que já cumpriram penas de prisão. Mas não adianta se a investigação também abrange casos de sequestro como foi inicialmente referido porque se encontra em segredo de justiça.

Ao Observador, fonte da Polícia Judiciária refere que, ao início da manhã, a operação estava “em fase de conclusão”. Os inspetores estiveram no terreno, na zona do Bairro da Cruz Vermelha, Lisboa, numa ação relacionada com “vários crimes graves”, entre os quais sequestros e tráfico de droga. A mesma fonte esclarece que se tratam de vários “crimes violentos” que não estarão todos relacionados entre si.

Estiveram envolvidas “várias unidades da Polícia Judiciária”. Segundo o Correio da Manhã, 250 inspetores da PJ participaram na ação desta madrugada que decorre de uma investigação da Unidade Nacional de Contraterrorismo iniciada por casos de sequestro e que foi, depois, alargada ao tráfico de droga e de armas.