Argentina

Marinha argentina afasta que sons detetados sejam do submarino desaparecido

A Marinha argentina garante que os sons detetados no mar não são do submarino argentino. A unidade da Armada argentina está desaparecida há vários dias e reportou uma avaria na quarta-feira.

ARGENTINA NAVY HANDOUT/EPA

A Marinha da Argentina anunciou esta segunda-feira que os sons detetados no mar não são provenientes do submarino argentino que está desaparecido desde quarta-feira, com 44 tripulantes a bordo. O porta-voz da Armada Argentina, Henrique Balbi, afirmou que os sons foram analisados e que os especialistas determinaram que não são de ferramentas a baterem contra o casco do submarino, como se suspeitava inicialmente.

O militar explicou que os sinais devem ser provenientes de “uma fonte biológica”. Os sons foram ouvidos no Atlântico Sul, a cerca de 360 quilómetros da costa da Argentina, a uma profundidade de cerca de 200 metros.

O submarino argentino desaparecido há vários dias reportou uma avaria na quarta-feira passada, na última comunicação antes de ser dado como desaparecido, disse esta segunda-feira o comandante da base naval do Mar da Prata.

O submarino San Juan continua a ser procurado sem êxito no mar da Prata, numa área com um diâmetro de 300 quilómetros da linha da costa. Desde quarta-feira que aquela unidade da Armada argentina, que zarpou do porto de Ushuaia para uma missão de vigilância, se encontra desaparecida. O submarino, de construção alemã, com propulsão diesel e elétrica, foi alvo de uma revisão profunda em 2014.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)