Rádio Observador

FC Porto

“Se fosse o Benfica falava de Aljubarrota e de tudo, de futebol é que não”, diz Pinto da Costa

515

À margem da exposição sobre os 90 anos de basquetebol no FC Porto, Pinto da Costa, líder dos dragões, abordou uma série de temas da atualidade, dos árbitros a Sérgio Conceição, passando pelo Benfica.

Pinto da Costa aproveitou a inauguração da exposição sobre os 90 anos do basquetebol no clube para abordar a atualidade

AFP/Getty Images

Quando os presidentes dos principais clubes portugueses querem falar, falam. Esta sexta-feira, Pinto da Costa, líder do FC Porto, queria falar. E falou, sobre muitos temas da atualidade, à margem da inauguração de uma exposição no Museu do clube a propósito dos 90 anos de basquetebol no clube azul e branco. Na globalidade, houve uma espécie de “passagem ao lado” em relação ao clima que se vive atualmente no futebol português, mas nem por isso o número 1 dos dragões há 35 anos deixou de abordar o rival Benfica e o “novo Apito Dourado”.

“BTV? Não tenho esse canal. O Benfica pode falar no que quiser. Querem que o Benfica fale do quê? Da Champions? Em cinco jogos tem zero pontos, um golo marcado e 12 sofridos. Acha que o Benfica pode falar de futebol? O Benfica tem de falar de qualquer coisa, nem que seja da Guerra Civil de Espanha. Agora de futebol é que não pode falar. Então em cinco jogos tem zero pontos, é um recorde. Se fosse o Benfica falava das guerras de Aljubarrota e de tudo o que quisessem, agora de futebol é óbvio que não podem falar”, comentou a esse propósito, passando depois para a questão do atual “clima de ódio” que se vive e tem sido tão abordado no espaço mediático.

“Estes indivíduos que não percebem nada de futebol é que são especialistas na arbitragem? Há muito tempo que estes senhores minam o futebol português e o clima na arbitragem. Agora é que descobriram que há este clima e os dirigentes são culpados. São culpados porque contribuíram para que os ‘Goberns’ e ‘Ruis Gomes da Silva” estivessem nos programas. Foi aí começou clima de ódio no futebol português. As televisões deviam meditar sobre isso”, referiu.

Há um clima de guerrilha por causa dos diretores de comunicação, é passar um pano pela poeira e encobrir o que esses senhores andaram a fazer de mal ao futebol durante muitos anos”, sublinhou Pinto da Costa sobre o atual estado dofutebol português.

Em paralelo, o presidente do FC Porto não deixou de lançar uma farpa a António Salvador, homólogo do Sp. Braga, depois das declarações proferidas no final da reunião do G15, ao mesmo tempo que se mostrou alheio ao recente ultimato de 20 dias que os árbitros deixaram numa espécie de pré-aviso de greve.

“Não vou dar crédito nem descrédito, não fui convidado para essa reunião. Agora, questiono como é que o António Salvador está contra os empréstimos e tem lá um jogador que nos pediu muito emprestado, que é o João Carlos Teixeira. Espero que em janeiro ele o devolva, para ser coerente”, disse. “Posição dos árbitros? Isso não me diz respeito. Respeito qualquer decisão dos árbitros, não interfiro nem tenho nada a ver com isso e não sou eu que tenho de resolver o assunto”, acrescentou, antes de desmentir qualquer reunião com Fernando Gomes, líder da Federação Portuguesa de Futebol.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)