456kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Seco, sujo, elétrico e virgem. O rio Tejo visto pelos espanhóis (em quatro vídeos)

Este artigo tem mais de 4 anos

Uma reportagem do El País, intitulada "A agonia do Tejo", mostra uma viagem pelos 1038 quilómetros do rio: um Tejo seco, sujo, uma sucessão de pântanos hidroelétricos. Em quatro vídeos.

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“O rio mais longo da Península Ibérica está a morrer”. Esta é a conclusão apresentada aos leitores da reportagem intitulada “A agonia do Tejo”, publicada esta segunda-feira no jornal espanhol El País. O veredicto surgiu após uma viagem ao longo dos 1038 quilómetros de comprimento do Rio Tejo. O jornal apresenta a reportagem — dividida em quatro capítulos e com quatro vídeos — que é também a “história de um Tejo incapaz de dar tudo o que dele se deseja obter”.

Na viagem, os repórteres encontraram um rio em que a seca deixou à vista alguns problemas estruturais — a poluição e o excesso de reservatórios de água — e onde apenas a primeira secção do rio mantém águas cristalinas.

Logo no capítulo um, intitulado “Fendas onde havia água”, o jornal identifica o local ao longo dos mais de mil quilómetros do Tejo onde as consequências da seca são mais notáveis: na zona de Aranjuez, onde o rio Tejo — limpo mas diminuído — e o rio Jarama — com mais volume mas poluído — se encontram.

Ambos se juntam aqui, mas o canal principal [o rio Tejo] traz tão pouca água que não consegue diluir a poluição do afluente [o rio Jarama], que transporta despejos da cidade de Madrid e da sua área metropolitana”, pode ler-se na reportagem.

Este primeiro capítulo apresenta ainda alguns números para mostrar como os factos apresentados são preocupantes: quase oito milhões de pessoas são fornecidas pela água existente onde esses dois rios se encontram.

O problema a que se dedica o capítulo dois — intitulado “O esgoto de Madrid” — é mesmo esse: o rio Tejo já não tem volume suficiente para diluir os resíduos urbanos e industriais que vêm dos seus afluentes.

A zona de Talavera de la Reina é uma das mais preocupantes a este nível. “Mesmo cumprindo os regulamentos, o volume de resíduos é tal que a capacidade de purificação é insuficiente”, disse uma professora da Universidade de Castilla-La Mancha e um dos líderes do Grupo de Investigación del Tajo — um grupo de académicos e ecologistas que lutam pela recuperação do rio – ao El País.

No capítulo três, cujo título é “300 quilómetros de reservatório de água”, é denunciado outro problema: a sucessão de reservatórios ao longo do rio Tejo, ou seja, as várias barragens que foram construídas com o argumento de garantir o consumo humano e reduzir o risco de catástrofes, dada a capacidade de armazenar água, gerar eletricidade e travar cheias.

Mas a sua construção também implicou mover populações inteiras, cujas casas ficaram submersas. Só que agora, devido à seca, algumas dessas aldeias ficaram de novo à vista. São “uma sucessão de pântanos hidroelétricos que inundaram aldeias e ruínas históricas”, como descreve o El País sobre os 300 quilómetros antes do rio Tejo passar a fronteira para Portugal. Um dessas aldeias é Talaverilla, cujos restos estão hoje visíveis.

Na primeira secção do rio Tejo, a água é transparente, apesar de ter até oito metros de profundidade. O último capítulo da reportagem, intitulado “O paraíso perdido de águas cristalinas”, fala sobre esta zona do rio, um pouco mais abaixo da sua nascente em Teruel, entre Cuenca e Guadalajara.

Embora a área já tenha sido alvo de transformações artificiais — foram construídas duas minicentrais elétricas que dificultam a passagem dos peixes –, esta área é considerada por ativistas e pesquisadores como um “paraíso perdido”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.