Um militar da GNR que, em janeiro, apontou uma arma à cabeça de um superior, no posto de Aljustrel, foi esta segunda-feira condenado a uma pena suspensa de um ano de prisão pelo crime de insubordinação por ofensa à integridade física na forma tentada.

O julgamento decorreu no Juízo Central Criminal de Lisboa, no Campus de Justiça. O juiz considerou que o militar “não mostrou arrependimento”. No entanto, por se encontrar inserido “familiar, social e profissionalmente”, merece uma atenuação da pena. Sendo o crime na forma tentada, o militar foi alvo de uma pena suspensa de um ano.

Segundo a imprensa, o militar de 35 anos terá reagido assim depois de o comandante de posto ter atribuído folgas de compensação aos colegas de posto depois de trabalharem no Natal e na Passagem de Ano. O militar e a companheira, que presta serviço no mesmo posto, não terão beneficiado de dias de compensação porque se encontravam de baixa médica entre os dias 28 e 30 de dezembro.

O militar foi alvo de um processo disciplinar pelo Comando Geral da GNR e foi colocado ao serviço de outro posto.