Estas são as 91 pessoas, ideias, objetos, grupos ou movimentos mais influenciadores de todos os tempos. Desde 1927 que a revista TIME, considerada a revista semanal de maior circulação no planeta, escolhe a figura com maior peso nos assuntos que marcaram anualmente as últimas nove décadas. Este ano, o título foi entregue aos “Quebradores do Silêncio”, o grupo de pessoas que impulsionou o movimento #MeToo para denunciar casos de assédio sexual e violação entre celebridades e anónimos de todo o mundo.

Mas o prémio já foi entregue a Adolf Hitler, ao planeta Terra, ao computador e até a qualquer um de nós, membros ativos da Era da Informação criada pela Internet. A tradição é longa e nunca foi quebrada. Mas surgiu de um erro.

Tudo começou quando uma onda de críticas fez agitar a redação da revista TIME, que nunca tinha feito capa com Charles Lindbergh, a primeira pessoa a fazer a viagem a avião sozinho atravessando todo o Oceano Atlântico, desde Nova Iorque com destino a Paris. Para se redimir, a revista deu um lugar de destaque ao piloto no final do ano, entregando-lhe o título de “homem do ano”.

A ideia pegou e, até 1999, a revista escolheu no final de todos os anos um homem ou mulher que tivesse mudado (para o bem ou para o mal) o mundo. A partir desse ano, o evento passou a chamar-se “Figura do Ano”: além de homens ou mulheres, a revista começou a dar destaque a grupos, movimentos, filosofias ou até objetos disruptivos. A primeira figura do ano da Time foi Jeff Bezos, fundador da Amazon.

Veja na fotogaleria todas as capas da Figura do Ano publicadas pela revista Time de 1927 até à atualidade.