Banda Desenhada

Fernando Relvas morreu antes de receber bolsa que esperava há dois anos

838

O ministro demorou apenas dois dias a emitir nota de pesar pela morte de Fernando Relvas, mas o autor de BD tinha passado mais de dois anos à espera de uma bolsa pedida ao ministério da Cultura.

O secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, e o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, numa audição no Parlamento

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os amigos de Fernando Relvas — um dos criadores mais importantes da Banda Desenhada portuguesa contemporânea — lamentam que o ministério da Cultura tenha sido rápido a reconhecer o mérito cultural do autor num voto de pesar após a sua morte (a 21 de novembro), mas tenha ignorado durante mais de dois anos o pedido de uma bolsa de mérito que lhe permitiria a subsistência económica e o acesso a melhores cuidados de saúde.

O jornalista e escritor Viriato Teles, um dos amigos de Relvas, enviou mesmo uma carta violenta ao ministro, onde diz que o governante devia “meter o voto de pesar onde melhor lhe aprouver“, já que “não serve nem para papel de rascunho” de Relvas. Questionado pelo Observador sobre este caso em particular, o ministério respondeu genericamente a dizer que os subsídios estão “suspensos desde 2003“, que serão reatados em janeiro de 2018, mas admite que vai continuar a ser um “processo demorado.

Fernando Relvas morreu a 21 de novembro, aos 63 anos. Sofria de Parkinson e já tinha pouca esperança em receber algum dia a bolsa vivo. Com o amigo Viriato terá desabafado: “Devem estar à espera que eu morra.” O “eles”, era o Estado. De facto, as bolsas só chegarão em janeiro de 2018, dois meses após a sua morte. Isso indignou alguns dos seus amigos que, ao longo dos últimos anos, tentaram sensibilizar o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, para a situação débil (do ponto de vista financeiro e de saúde).

Viriato Teles explica ao Observador que o que os amigos queriam era “sensibilizar o ministro para o cumprimento da lei e não pedir um favor ao Estado“. O amigo de Fernando Relvas não percebe que um subsídio criado há tanto tempo (em 1982) e para situações urgentes “demore mais de dois anos a ser atribuído“. E acrescenta: “Se a situação é de carência extrema, é para hoje”. Viriato conta ainda que houve alguns telefonemas com serviços do ministério em que foi explicado à família que estava a ser criada a comissão que decide sobre esses subsídios, mas não chegou qualquer resposta oficial. Por outro lado, “passado dois dias da morte, o Governo foi rápido a emitir o voto de pesar”.

No nota de pesar, o ministro escreve que “Fernando Relvas foi uma referência enquanto artista visual e o seu trabalho destacou-se em diversas publicações pela inquietude e pela originalidade ao longo de mais de quatro décadas de percurso artístico”.

Na carta que enviou ao ministro, Viriato Teles explica que, “em circunstâncias normais, a atribuição desse subsídio a Fernando Relvas não deveria levantar dúvidas” — o que prova o voto de pesar — mas a “candidatura ficou perdida nas gavetas, submetida com certeza aos trâmites sempre insondáveis da burocracia”. Assim, escreve o amigo de Fernando Relvas, “o tempo foi passando, sem que nunca o Relvas tenha tido, sequer, uma resposta do Fundo de Fomento Cultural”.

O ministério da Cultura, em resposta oficial ao Observador começou por lembrar que “o Subsídio de Mérito Cultural é um subsídio atribuído com base no Decreto-Lei nº415/82 de 7 de Outubro”. O objetivo do diploma, segundo consta do primeiro parágrafo, é “possibilitar a atribuição a alguns artistas e autores de reconhecido mérito cultural de subsídios que os ajudem a ultrapassar situações de, por vezes, pungente carência económica“.

Contudo, continua o ministério a explicar, desde 2003 que a sua aplicação estava suspensa e não foram admitidos novos beneficiários. Porém, o atual Governo “tomou a decisão de retomar a atribuição de novos subsídios, tendo o ministro da Cultura desencadeado todos os mecanismos necessários para que essa atribuição possa ser efetuada, de forma transparente”.

Subsídios só a partir de 2018 e processo de atribuição será “demorado”

A tutela explica que, como não existia “há mais de uma década, foi necessário nomear e iniciar os trabalhos da comissão prevista no Decreto-Lei de 1982″. Isto porque o “mérito cultural é apreciado por uma comissão composta por 5 membros, 4 dos quais nomeados pelo Ministro da Cultura e 1 pelo Ministro da Segurança Social e do Trabalho”.

“O Espião Acácio” no nº40 da revista “Tintin”

Ora, segundo o ministério, “foram revistos e fixados os critérios de carência económica”, dependendo o subsídio, à priori, da comprovada situação de carência económica. Só depois de verificado este pressuposto é que, segundo o Governo, “a comissão, composta por cinco membros, aprecia o mérito cultural do artista ou do autor, trabalho que a Comissão tem neste momentos em mãos“.

O Governo garante agora que vão ser retomados “os pagamentos do subsídio de mérito cultural, a quem cumprir os requisitos definidos, a partir do próximo dia 1 de janeiro de 2018”. O Governo admite que “a apreciação e verificação dos pressupostos é um processo demorado“, isto “para garantir equidade e transparência na decisão”. É por isso que, garante o executivo, “os potenciais beneficiários não serão prejudicados pelo momento da análise do processo, uma vez que o pagamento será retroativo a 1 de janeiro de 2018”.

Sem nunca se referir ao caso concreto de Fernando Relvas, fonte oficial da tutela garante que o ministro “não tem intervenção na apreciação do mérito cultural” e recorda que “este subsídio é um complemento aos apoios sociais a que cada cidadão possa ter direito, segundo a sua situação pessoal”. No site do Ministério da Cultura — na página referente ao Subsídio de Mérito Cultural — é, no entanto, descrito que “pelo Ministro da Cultura são fixados os critérios de carência económica necessários à atribuição do Subsídio.”

Fernando Relvas chegou a fazer capa da revista Tintin com o seu Espião Acácio, uma crónica humorística da I Guerra Mundial e trabalhou para o Se7e nos anos 1980.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)