Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sérgio Conceição era um treinador visivelmente satisfeito no final do encontro, após somar mais uma vitória com uma segunda parte de luxo que valeu o 4-2 frente ao V. Guimarães. Por isso, de forma inevitável, uma das primeiras perguntas tanto na flash interview como na conferência de imprensa após o jogo passou pelas palavras que teria dito aos jogadores para a total metamorfose da equipa, algo que o técnico desvalorizou.

Foi o intervalo mais fácil quer tive no FC Porto. Não tive de dizer absolutamente nada, apenas que tinha 1000% de confiança neles, que iam ser iguais a eles próprios na segunda parte e tudo o que viesse a acontecer eu assumiria a responsabilidade. Foi uma segunda parte avassaladora e podíamos ter feito mais um ou outro golo”, comentou.

“Estar a perder ao intervalo era uma coisa que não me lembrava. Há dias em que somos mais precipitados, em que o adversário se organiza defensivamente. Houve um conjunto de situações que nos levou a ter mais dificuldades na primeira parte. Sabíamos que no decorrer do jogo iríamos criar oportunidades e fazer golos porque temos consciência da equipa que temos. Foi uma vitória difícil, mas justa”, acrescentou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Destacando os 45 pontos alcançados nas primeiras 17 jornadas, Sérgio Conceição elevou ainda mais a fasquia e deixou de novo uma frase forte em relação ao coletivo azul e branco: “Não vai ser fácil derrubar esta equipa”. “Temos 45 pontos, que são muitos pontos, mas não estamos satisfeitos e queremos fazer uma segunda volta ainda melhor. Vamos iniciar a segunda volta e temos consciência das dificuldades que teremos pela frente, mas também do nosso valor e capacidade. Temos um espírito verdadeiramente forte”, salientou Sérgio Conceição, antes de voltar também a abordar as palavras de resposta do homónimo do Benfica, Rui Vitória.

Sou livre, crescido e assumo a responsabilidade daquilo que digo. Faz-me lembrar um boneco que o meu filho tem em casa, que tem um botão ‘agressivo’ e carrega-se para ser agressivo e depois tem outro botão para entrar em modo ‘padre’. Não sou desses, que têm botões para se comportarem de determinada maneira em frente à comunicação social”, acusou o treinador azul e branco.