Rádio Observador

Resolução do BES

Vitor Bento. Solução para o BES vai custar à volta de 10 mil milhões

577

Vítor Bento admite que solução que passou por venda do Novo Banco pode custar 10 mil milhões de euros. E faz a pergunta: o que teria acontecido se o valor tivesse sido adiantado antes da resolução?

© Hugo Amaral/Observador

A solução para o Banco Espírito Santo (BES) poderá custar à volta de 10 mil milhões de euros. A estimativa é avançada por Vítor Bento, o economista que assumiu a presidência do BES semanas antes da resolução em agosto de 2014, e que acabou por sair, pouco tempo depois, por discordar da venda acelerada do banco.

Em entrevista ao Jornal de Negócios e Antena 1, Vítor Bento levanta a questão: “Não sei qual teria sido o resultado se esses 10 mil milhões tivessem sido adiantados antes da resolução, por exemplo. Vale a pena questionar”.

Vítor Bento começa por defender que o atual Executivo agiu bem de uma maneira geral em relação à banca, nomeadamente na resolução do Banif e na recapitalização da Caixa Geral de Depósitos. Mas assinala também que não tinha muita margem de manobra.

O presidente não-executivo da SIBS considera que nos casos do BES e também do Banif se adiaram “demasiado os problemas”. Daí que o caso do Espírito Santo defenda que a solução encontrada foi “a solução possível no timing em que ela teve de ser tomada. Quando chegamos a uma solução de desespero qualquer solução serve, mas temos é de perceber se era possível ou não ter tido soluções melhores”.

As contas do economista são feitas já depois de concretizada a venda do Novo Banco ao fundo americano Lone Star, uma operação que terá custos adicionais para o Fundo de Resolução. Para Vítor Bento este instrumento, que dizem que é detido pelos bancos “é uma ficção”.

O Fundo de Resolução é uma entidade na esfera do Estado que é financiada pelas contribuições dos bancos, mas a necessidade de intervir para resgatar o BES e o Banif, no quadro das regras da união bancária, obrigou o Estado a emprestar dinheiro ao fundo para financiar estas operações. E a venda do Novo Banco, que resultou do BES, não gerou meios para o Fundo, e os seus financiadores, os bancos, reembolsar o empréstimo ao Estado. A solução encontrada pelo atual Governo, para evitar uma penalização excessiva dos bancos, foi a de prolongar o prazo do empréstimo ao Fundo de Resolução até 2046.

De acordo com a edição de segunda-feira do Jornal de Negócios, o Fundo de Resolução reconheceu uma imparidade (perda) de 4900 milhões de euros — o valor injetado na criação do Novo Banco a partir do BES — nas contas de 2016. Esta perda foi reconhecida antes de fechar a venda do banco à Lone Star no final do ano passado. Em consequência, a instituição apresentou em 2016 capitais próprios negativos da mesma dimensão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)