PSD

Rui Rio, nas nuvens com Passos, queixa-se de “turbulência” no partido

142

Futuro líder diz que tem sentido "alguma turbulência" no processo de tentar unir o PSD. Rui Rio classificou ainda primeiro encontro com Passos como conversa "muito agradável".

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Passos Coelho esperava Rui Rio à chegada do futuro líder à sede do PSD, na São Caetano à Lapa e desabafava: “É preciso ir buscá-lo? Não. O Rui conhece os cantos à casa“. Acabou por ir quase até ao carro, cumprimentaram-se, trocaram sorrisos, e trataram-se por “tu”: “Vieste de lá de cima?”, perguntou Passos. E lá entraram na vivenda que é sede do PSD para uma conversa de mais de uma hora e meia. Os recados ficariam para o fim. Nas declarações à saída, Rui Rio confessava que tem sentido “alguma turbulência” no processo de ter unir o partido. Depois acrescentou, sem querer esclarecer: “Mas a gente vai resolver essa turbulência. Não sei se a turbulência é real, se é mais na comunicação social“.

Rui Rio referia-se à bancada parlamentar, onde o presidente (Hugo Soares) e a esmagadora maioria da direção foram apoiantes do seu opositor, Pedro Santana Lopes, nas últimas diretas. O futuro líder do PSD considerou o encontro com Passos a “primeira etapa na transição suave” que quer fazer no partido. E aponta o segundo: “A seguir vamos articular com a bancada”. A reunião será marcada em breve. Claro que tudo isto pode ser culpa da metade do partido que não o apoiou ou, em alternativa, da “comunicação social”. Algo que Rio ainda vai apurar (supostamente, na reunião que fará com a direção da bancada).

O novo líder — no regresso a uma das casas da “corte lisboeta”, onde já foi secretário-geral — foi aproveitando para algumas tiradas com segundo sentido. Questionado se era este o seu primeiro grande desafio como presidente do PSD, Rui Rio aproveitou não ter ouvido bem para devolver a pergunta: “Se este é o meu primeiro desafio?” Acrescentando logo a seguir: “Ah estava a ver que me estava a perguntar se era o primeiro grande desafio da minha vida. É que com esta idade já tive outros desafios. É uma das muitas questões que têm de ser resolvidas.”

Rui Rio admite que o assunto não está fechado já que ainda “nem sequer” falou com o líder parlamentar. Ainda assim, promete que a questão será “resolvida com calma, serenidade, com frontalidade, sem hipocrisia, mas com sinceridade de parte a parte”.

Sobre a conversa com Passos, tudo correu nas nuvens, sem qualquer tipo de turbulência. Até a gravata era quase igual, ao jeito de Dupont e Dupond. O portuense referiu-se ao encontro como “uma conversa muito agradável“. Passo Coelho — que falou antes de Rio e mesmo ao lado do seu antecessor — prometeu uma “transição se fará com muita naturalidade e responsabilidade”, já que “nem outra coisa será de esperar”. E disse ainda que iria torcer por Rio “porque tudo o que correr bem com a sua liderança à frente do PSD, correrá aos portugueses“.

Passos confessou que deu novamente os parabéns a Rui Rio e recordou que só em fevereiro é que o seu sucessor “entra em funções como líder eleito do PSD”. No entanto, o ainda líder diz que não é possível “ignorar que ele já foi eleito e que há matérias que carecem aqui de alguma articulação” e que por isso quer ouvi-lo em “alguns aspetos” que considera “mais relevantes”.

Nem um nem outro quiseram falar sobre o conteúdo da conversa. Rio voltou a avisar os jornalistas que nem ele é fonte de ele próprio e que ainda não começou a pensar nos membros da sua comissão política, mas anunciou: “Vou começar a pensar“.

A última vez que Rio e Passos se encontraram foi quando Rui Rio formalizou a sua candidatura na sede do PSD, n dia 28 de dezembro. Depois da sessão, os dois estiveram à conversa cerca de uma hora, agora durou mais. Antes disso, o último encontro privado entre ambos tinha sido um jantar no Porto, a 17 de junho de 2015, quando conversaram sobre a hipótese de Rui Rio ser o candidato presidencial apoiado pelo PSD. Nessa altura, a ideia de Passos era arranjar uma alternativa a Marcelo (e a Santana Lopes, curiosamente) como candidato apoiado pelo PSD às Presidenciais de 2016. Rio estava disponível e jantaram no Porto. O jantar correu bem e chegaram mesmo ligeiramente atrasados à apresentação do livro de Paulo Rangel, Jesus e a Política, que ocorreu nessa noite. O desejo de ambos, não se concretizou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Política

O PS é que sabe fazer política!

António Valle
837

Passos quis mudar a mentalidade e a cultura política. António Costa, que personifica a velha mentalidade e a velha cultura política, não deixou. Não quis! E travou a necessária mudança.

Assembleia Da República

Apologia da barata /premium

Helena Matos

Leões, águias ou dragões? Nem pensar. Sigamos a barata. É na barata que está a questão. As baratas andam por aí numa espécie de sinal exterior da putrefaçcão dos edifícios. E do regime.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)