PSA

PSA. Tavares promete tudo electrificado até 2025

104

Assumindo como objectivo ser "o construtor mais eficiente", a PSA pretende chegar a 2025 com versões electrificadas de todos os modelos do grupo, comerciais incluídos. E atacar os EUA.

Autor
  • Francisco António

Numa altura em que todos construtores vão adoptando, progressivamente, a mobilidade eléctrica como solução de futuro, até como forma de cumprir as cada vez mais restritivas exigências ambientais, o português Carlos Tavares, CEO do grupo automóvel francês PSA, acaba de anunciar o objectivo de, até 2025, ter versões eléctricas ou eletrificadas de todos os modelos que produz, independentemente da marca a que pertencem. Comerciais ligeiros, incluídos.

Falando aos jornalistas no Salão Automóvel de Detroit, o engenheiro português revelou que, ao todo, serão 40 os modelos electrificados, pertencentes às cinco marcas do grupo – Peugeot, Citroën, DS, Opel e Vauxhall. Sendo que todas estas propostas terão de estar disponíveis até 2025.

“Queremos tornar-nos no construtor automóvel mais eficiente… não no maior”, afirmou Carlos Tavares, naquilo que poderá ser também entendido como uma alusão à polémica que entretanto estalou, entre o Grupo Volkswagen e a Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, quanto ao verdadeiro detentor do título de maior construtor mundial. O que dificilmente poderá acontecer à PSA nos próximos anos, uma vez que para liderar o mercado mundial é necessário ultrapassar os 10 milhões de veículos e o grupo francês atingiu apenas 3.1 milhões em 2016 e em 2017, já com a Opel, 3,7 milhões.

EUA parte de estratégia mundial com 124 novos modelos

Na mesma ocasião, Tavares confirmou ainda que a PSA está a preparar o regresso aos EUA, embora sem revelar com que marca do grupo será feita a entrada. Acrescentando, contudo, que muitos dos futuros modelos Opel passarão a ser construídos de forma a cumprirem as directrizes do mercado norte-americano.

Segundo o CEO, a entrada no mercado americano faz parte de um plano estratégico, que prevê o lançamento de 124 novos modelos ao longo dos próximos seis anos, em seis regiões do globo.

Tavares também revelou que o primeiro veículo destinado aos EUA está a ser desenvolvido na Europa, embora por uma equipa de engenheiros norte-americanos. Não deixando, porém, de salientar que a entrada neste mercado far-se-á, em primeiro lugar, através da oferta de serviços de mobilidade, também com vista à recolha de dados sobre o consumidor americano. E, tudo isto, antes mesmo de começar a vender automóveis.

Falando sobre condução autónoma, o português afirmou acreditar que 80% dos construtores serão capazes de oferecer, em 2030, veículos preparados para se conduzirem a si próprios, em determinadas condições. Sendo que 10%, permitirá mesmo o Nível 4 e Nível 5 de autonomia.

“A Opel, é a PSA de 2013”

Finalmente e quanto questionado sobre a situação da Opel, Tavares mostrou-se “confiante” de que será possível dar a volta aos resultados negativos que a General Motors tinha com a Opel e a Vauxhall, na Europa. Nomeadamente, através da aplicação de um plano idêntico àquele que o gestor implementou na PSA, após a sua entrada para o comando do grupo automóvel francês, que estava à beira de uma falência de que só foi salva graças à injecção de capital, através de compra de acções, por parte dos chineses da Dongfeng e do Estado francês..

“Os números que eu vejo na Opel e os números que fomos vendo, quando ainda não estávamos na companhia, mostram que a situação actual da marca alemã é muito semelhante, senão a mesma, que a PSA exibia, em 2013”, afirmou o português. Sentenciando, mesmo, que “a Opel é a PSA de 2013”.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Europa

Falta de confiança  /premium

Manuel Villaverde Cabral

Por todo o lado são cada vez mais os eleitores que se abstêm ou que se viram para os «populistas» que tudo prometem e, até agora, não conseguem mais do que piorar as coisas, aumentando a instabilidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)