A subida no nível do caudal do rio Sena, que pode chegar aos seis metros, está a assustar os parisienses. Vários edifícios fecharam as portas, temendo o pior. Devido às fortes chuvas que desde o início do ano estão a afetar o norte de França, museus como o Louvre fecharam as galerias subterrâneas, linhas de comboios estão encerradas e os famosos barcos para turistas do Sena estão atracados por não poderem passar por debaixo das várias pontes que ligam os dois lados da cidade da luz.

Cataclismo para uns, mas espetáculo para outros. A subida das águas tem levado inúmeros turistas e parisienses a contemplar os vários centímetros de água que aumentam de hora a hora, noticia o El Mundo. Não se espera que a subida das águas seja tão assustadora, e devastadora, como as cheias de 1910, em que o rio subiu 8,2 metros. Mas na manhã deste sábado a água estava 5,7 metros acima do caudal médio nesta época, um resultado menor que o esperado mas que, mesmo assim, deixou a cidade em alerta.

Uma imagem desta sexta-feira, em que a ilha que tem um pequena réplica da estátua da liberdade oferecida por França ao EUA já está debaixo de água (LUDOVIC MARIN/AFP/Getty Images)

Algumas povoações francesa perto do Sena e mais perto do nível da água do mar já estão inundadas. Os meses de dezembro e janeiro têm sido dos piores dos últimos 100 anos no Norte de França.

Calcula-se que por força deste aumento do nível da água os prejuízos já ascendam a 300 mil euros só para os proprietários de embarcações turísticas no Sena. Com escolas também a fechar, os prejuízos totais estão ainda longe de poder ser calculados.