Rádio Observador

Eurogrupo

Centeno espera que líderes europeus reforcem mandato do Eurogrupo

O líder do Eurogrupo espera que os chefes de Estado e Governo possam corroborar e acentuar o mandato para que o aprofundamento da União Económica e Monetária esteja concluído "o mais cedo possível".

JULIEN WARNAND/EPA

Mário Centeno disse esta sexta-feira esperar que os chefes de Estado e Governo, reunidos em Bruxelas, possam corroborar e acentuar o mandato do Eurogrupo para que o aprofundamento da União Económica e Monetária esteja concluído “o mais cedo possível”.

À entrada para a ‘cimeira do euro’, que esta sexta-feira reúne os 19 Estados-membros da zona euro em Bruxelas, o ministro das Finanças português disse esperar que “os líderes europeus possam corroborar e acentuar o mandato que o Eurogrupo tem” no aprofundamento da União Económica e Monetária para que este seja “completado o mais cedo possível”.

“Estou hoje aqui para fazer uma apresentação aos chefes de Estado e de Governo daquilo que tem sido o trabalho do Eurogrupo em vários aspetos do aprofundamento da União Económica e Monetária. As discussões estão a decorrer no Eurogrupo, nós temos abordado diferentes temáticas desde completar a União Bancária até ao reforço do papel do mecanismo de estabilidade europeu […] e a dimensão orçamental da zona euro e da UE”, elencou Centeno, que participa no encontro na qualidade de presidente do fórum de ministros das Finanças da zona euro.

O líder do Eurogrupo revelou que as discussões têm decorrido normalmente, apesar de os debates serem sempre “muito profundos quer do ponto de vista económico, quer do ponto de vista político”.

Centeno escusou-se a apontar quais são os pontos mais sensíveis do debate entre os 19 Estados-membros, vincando que “as matérias enquanto não estiverem fechadas são consideradas todas igualmente importantes e igualmente difíceis”.

“Não estamos particularmente preocupados com nenhuma matéria, estamos preocupados com a coerência sistémica de todas as decisões que vamos tomar e do potencial benefício que elas possam ter para a Europa”, reforçou.

O ministro lembrou que as decisões sobre o aprofundamento da União Económica e Monetária estão agendadas para junho e que até lá o Eurogrupo tem “muito trabalho” a fazer.

“Naquilo que tem sido o trabalho do Eurogrupo ele tem evoluído de forma bastante construtiva, sempre numa dimensão muito alargada de opiniões que existem na UE e na área do euro sobre estas matérias, mas sem preocupação de maior”, acrescentou.

Centeno afirmou ainda que o objetivo do Eurogrupo é muito claro: “Que a instituição Euro saia deste processo de reforma reforçada, na sua capacidade de gestão de crises, nas suas dimensões de estabilização macroeconómica, na sua capacidade de trazer as poupanças que são geradas na Europa para investimento na Europa que, como todos sabemos, é a melhor forma de gerar rendimento”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)