Brasil

Sarampo volta ao Brasil, através de refugiados e imigrantes da Venezuela

O Brasil voltou a registar casos de sarampo. O primeiro caso identificado foi uma criança venezuelana, habitante de rua. Os venezuelanos têm cobertura vacinal baixa, o que preocupa as autoridades.

Marcelo Sayao/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A imigração em massa de venezuelanos para o Brasil trouxe o sarampo de volta ao país, preocupando as autoridades de saúde de Roraima, estado que faz fronteira com a Venezuela e onde já foram registados dezenas de casos. “Nós tínhamos erradicado o sarampo no Brasil em 2015, mas, infelizmente, não existe uma barreira sanitária na fronteira. Como a cobertura vacinal dos venezuelanos é muito baixa eles estão entrando no Brasil e trouxeram a doença de volta”, disse à Lusa o secretário de Saúde de Roraima, Marcelo Rodrigues Batista.

O secretário de Saúde explicou que o Brasil não exige um comprovativo de vacinação aos estrangeiros que atravessam as fronteiras e isso tem criado novos riscos epidemiológicos. A diretora epidemiológica da Secretaria de Saúde de Boa Vista, capital do estado de Roraima onde foram notificados a maioria dos casos, explicou que a doença começou a ser verificada em fevereiro.

“O primeiro caso foi notificado no dia 11 de fevereiro de 2018. Uma criança, moradora de rua, imigrante da Venezuela, foi levada ao hospital com sinais e sintomas de sarampo. A a partir deste momento as medidas de bloqueio foram iniciadas”, explicou Roberta Calandrini.

A responsável pelo controlo epidemiológico salientou que a aposta tem sido na vacinação das pessoas. Nesse sentido, a prefeitura está a imunizar, desde 10 de março, aqueles que ainda não haviam sido vacinados contra o sarampo, numa campanha que pretende atingir 248 mil pessoas.

“Colocamos um posto de vacinação na sede da polícia federal [que regista imigrantes e refugiados], continuamos fazendo ações nas praças e no entorno dos abrigos porque muitos saem de dentro do abrigo doentes para pedir ou fazer visitas e já temos casos [de sarampo] entre brasileiros”, acrescentou.

Em meados de março, a Secretaria de Saúde de Roraima confirmou 40 casos de sarampo e existem 113 notificações que ainda estão a ser investigadas. Os diagnósticos positivos foram notificados na cidade de Boa Vista (29 casos) e Pacaraima (11 casos), localidades que concentram o maior número de imigrantes e refugiados da Venezuela. Duas crianças venezuelanas que estavam em Boa Vista já morreram por complicações causadas pela infeção. O estado de Roraima afirma ter vacinado cerca de 35 mil pessoas, incluindo os imigrantes e refugiados, que estão no Brasil.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)