Rio Tejo

Poluição. Aviso do tribunal não teve a ver com questões ambientais, diz Celtejo

143

Celtejo diz que o aviso do tribunal não teve nada a ver com questões ambientais mas antes com questões administrativas. E garante que cumpre com a lei.

A empresa reafirma que "cumpre escrupulosamente" os limites da licença ambiental

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Celtejo esclareceu hoje que a decisão judicial que culminou numa admoestação à empresa tem por base questões administrativas e não incumprimentos da licença ambiental e voltou a afirmar que “cumpre escrupulosamente” os limites da licença ambiental.

“A Celtejo esclarece (…) que o processo em causa em nada está relacionado com o incumprimento dos Valores Limite de Emissão (VLE) da licença ambiental ao abrigo da qual exerce a sua atividade“, lê-se num comunicado divulgado na página da Celtejo na rede social Facebook.

Em Janeiro, após se tornar visível um grande foco de poluição no rio Tejo — em Abrantes, distrito de Santarém — foram impostas restrições às descargas feitas pela fábrica de celulosa Celtejo pelo Ministério do Ambiente.

O Inspetor Geral da IGAMAOT, Nuno Banza, afirmou recentemente numa sessão extraordinária da Assembleia Municipal de Santarém dedicada ao rio Tejo, que foram levantados cinco processos de contraordenação à Celtejo, dois deles já decididos e impugnados judicialmente.

Num dos processos, o tribunal decidiu substituir o pagamento da coima por uma admoestação, num processo que remonta a 2011.

“Na base destas notícias estão afirmações, seletivamente incompletas e descontextualizadas, que, sem o devido enquadramento, sem factos concretos, sem provas, sem nenhum elemento que o justifique, incentivam julgamentos na praça pública, primários, superficiais, clamorosamente injustos e, por isso, inaceitáveis num Estado de direito”, lê-se na nota da Celtejo.

Nuno Banza, que participou no dia 28 de março, numa sessão extraordinária da Assembleia Municipal de Santarém, afirmou que a Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) tem ainda três desses processos (dois relativos a 2016 e um a 2017, que foram apensados “por economia processual”) em fase de decisão.

Respondendo a uma questão de deputado municipal Francisco Madeira Lopes, eleito pela CDU, o responsável da IGAMAOT disse ainda que a empresa recorreu judicialmente dos dois processos já decididos administrativamente, sendo que num deles lhe foi aplicada uma coima de 12.500 euros e, no outro, ainda a aguardar decisão do Tribunal, de 48.000 euros.

No caso da coima de 12 500 euros, o Tribunal reduziu esse valor para 6 000 euros “e decidiu substituir o pagamento da coima por uma admoestação, ou seja, por uma repreensão escrita”, declarou.

Na nota divulgada hoje a empresa sublinha que em causa “não estão factos recentes”.

“Estas notícias surgem estranhamente agora, porque em causa não estão factos recentes, e em nenhum momento esclarecem que a decisão administrativa proferida pelo IGAMAOT e que foi objeto de impugnação por parte da Celtejo, tem a sua base tão só a discussão de uma questão meramente administrativa de datas no reporte de informação àquela entidade [IGAMAOT]”, é referido.

A empresa reafirma que “cumpre escrupulosamente” os limites da licença ambiental de que é titular e que exerce a sua atividade em “permanente melhoria contínua”, usando equipamentos considerados ‘tate of de art’ da tecnologia mundial, como é o caso da nova Estação de Tratamento de Águas Residuais Industriais (ETARI).

“É inaceitável que as notícias sejam reiteradamente difundidas como se em causa estivessem questões relacionadas com o efluente da Celtejo, com o intuito de o relacionar com fenómenos de poluição manifestados no rio Tejo”, lê-se ainda na nota.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)