Rádio Observador

Zara

Um desfile dentro da loja? A realidade aumentada chegou à Zara

Colombo e NorteShopping são as lojas Zara que, durante 15 dias, vão disponibilizar a experiência de realidade aumentada. Para ver a nova coleção a desfilar pela loja só precisa do seu smartphone.

A aplicação Zara AR é gratuita e, durante duas semanas, permite-lhe ver duas modelos a desfilar pela loja

Lista de material? O seu próprio smartphone. A partir da próxima semana e durante uma quinzena, as lojas Zara do Colombo, em Lisboa, e do NorteShopping, em Matosinhos, vão disponibilizar uma experiência de realidade aumentada para quem anda às compras. Tudo o que precisa é um smartphone e a nova aplicação Zara AR, que pode ser descarregada no iTunes e Google Play, através dos QR codes dispostos nas lojas ou da aplicação da marca.

Haverá três locais, dentro das lojas, devidamente assinalados: as montras, os expositores centrais e a as caixas de entrega das encomendas online. Basta abrir a aplicação, posicionar o telefone na sinalética e começa o desfile da nova coleção Studio SS18. As modelos Léa Julian e Fran Summers começam a percorrer a loja em sequências de sete a 12 segundos, nos ecrãs dos dispositivos dos clientes. E chegam mesmo a conversar. Todas as peças que usam podem ser compradas no momento, clicando diretamente na aplicação ou fisicamente na loja.

A experiência está disponível a partir desta quinta-feira, 12 de abril, mas apenas durante duas semanas, tempo estimado para a permanência da referida coleção em loja. Em casa ou no trabalho, também é possível ter uma amostra de como aplicação funciona. Basta focar a câmara na homepage do site da Zara para que as duas modelos voltem a aparecer.

Além da compra direta, a nova aplicação também possibilita que o utilizador partilhe a experiência nas redes sociais, na forma de fotografias ou de vídeos. Nas montras, que estarão vazias, a aplicação colocará as manequins a percorrer o espaço. No final da primeira semana, serão introduzidas novas sequências. No total, são 12 e foram capturadas como hologramas num cenário de 170 metros quadrados, equipado com 68 câmaras.

Durante duas semanas, vai ser possível ver modelos a desfilarem nas montras de duas lojas Zara, tal como nesta imagem © Divulgação

A Zara AR foi desenvolvida por Ezra Petronio, diretor criativo sediado em Paris e cofundador da revista Self Service, em conjunto com a empresa francesa HOLOOH e com o INRIA, Institut National de Recherche en Informatique et Automatique. A experiência está disponível em 137 lojas de todo o mundo, mais um passo da marca espanhola, pertencente ao grupo Inditex, para aliar as últimas tecnologias ao retalho de massas. Primeiro, com as caixas de pagamento automático em algumas lojas espanholas, e, mais recentemente, com a abertura da primeira loja Click & Collect, no Reino Unido.

O interesse das marcas de moda na realidade aumentada tem estado a crescer. No ano passado foi a vez da Burberry desenvolver a sua própria aplicação, possibilitando aos utilizadores experimentar padrões e desenhos na decoração que os rodeia. A Gap explorou o mesmo território, à semelhança de marcas de decoração como a Ikea e a Anthropologie, e de marcas de cosmética. A L’Oréal foi a pioneira, mas a Sephora, a Charlotte Tilbury e a Rimmel vieram logo a seguir. “Será tão essencial como ter um website”, afirmou Tim Cook, CEO da Apple, à Vogue britânica, em outubro do ano passado. “Acredito que nenhum setor ou indústria ficará indiferente à realidade aumentada”, concluiu.

Artigo atualizado no dia 12 de abril, quinta-feira, às 11h10.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)